Estresse em Atletas de Modalidades Coletivas: Uma Revisão Sistemática

Por: Andressa Melina Becker da Silva e Sônia Regina Fiorim Enumo.

Arquivos em Movimento - v.12 - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

A presente revisão sistemática objetivou analisar os artigos científicos nacionais e internacionais e as teses e dissertações brasileiras publicados nos últimos 15 anos (2000-2015) sobre o tema “estresse em atletas” voltado para modalidades esportivas coletivas. Destacaram-se os métodos que os estudos utilizaram para avaliação do estresse. Considerou-se o estresse sob um enfoque psicofisiológico, pois ambos os fatores fisiológicos e psicológicos interagem. Depois de aplicados os critérios de inclusão e exclusão, foram analisados 19 estudos, sendo 8 artigos e 11 teses e dissertações. Os resultados mostram que o instrumento RESTQ-Sport, o cortisol salivar, a Escala de Percepção de Esforço de Borg, a variabilidade da frequência cardíaca e as variáveis bioquímicas sanguíneas são as formas mais utilizadas para avaliação do estresse em esportistas de modalidades coletivas. As exigências dos técnicos, familiares, a incerteza sobre o jogo, o desconhecimento sobre os adversários e o período pré-competitivo, além das altas cargas de treinamento, foram identificados como os principais fatores estressantes. Apenas um estudo abordou a intervenção psicológica, mostrando defasagem nessa área e a importância da realização de novos trabalhos voltados para isto.

Referências

*Localizados e incluídos na revisão sistemática

*AZEVEDO, N. S. O consumo alimentar e o estresse psicológico: um estudo com atletas de alto rendimento da seleção pernambucana de voleibol. Tese de Doutorado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Pernambuco, 2008.

*BRINK, M. S.; VISSCHER, C.; COUTTS, A. J.; LEMMINK, K. A. P. M. Changes in perceived stress and recovery in overreached young elite soccer players. Scandinavian Journal of Medicine Science and Sports, v. 22, p. 285-292, 2012.

COSTA, L. O. P.; SAMULSKI, D. M. Processo de Validação do Questionário de Estresse e Recuperação para Atletas (RESTQ-Sport) na Língua Portuguesa. Revista Brasileira de Ciência & Movimento, v. 13, n. 1, p. 79-86, 2005.

CRUZ, W. M. Estresse e recuperação de atletas de futebol de alto rendimento em treinamento. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2009.

*FREITAS, D. G. S. Efeitos da carga de treinamentos sobre variáveis bioquímicas, psicológica, fisiológica e hematológica durante uma pré-temporada no futebol profissional. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Fderal de Viçosa, 2009.

*GOUVÊA, F. L.; BEISIEGEL, M. R.; FONSECA NETO, D. R.; OLIVEIRA, M. M. A.; LOPES, M. B. S. Carga psíquica em situações de jogo: avaliação em equipes masculinas e femininas de voleibol infanto-juvenil. Salusvita, v.23, n.1, p. 63-76, 2004.

*IVARSSON, A.; JOHNSON, U.; LINDWALL, M.; GUTAFSSON, H.; ALTEMYR, M. Psychosocial stress as a predictor of injury in elite junior soccer: A latent growth curve analysis. Journal of Science and Medicine in Sport, p. 1-5, 2013.

KAVANAGH, J. Stress and performance: a review of the literature and its applicability to the military. Santa Monica, CA: RAND Corporation, 2005. Acesso em 6 de Novembro de 2012 em:

*KRISTIANSEN, E.; HALVARI, H.; ROBERTS, G.C. Organizational and media stress among professional football players: testing an achievement goal theory model. Scandinavian Journal of Medicine Science and Sports, v. 22, p. 569-579, 2012.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Stress, appraisal and coping. New York: Springer, 1984. *MANNRICH, G. Perfil dos marcadores bioquímicos de lesões músculo esquelética, relacionado ao estado psicológico, em atletas profissionais de futebol. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade do Estado de Santa Catarina, 2007.

*MATOS, F. O. Percepção de estresse e recuperação, variabilidade da freqüência cardíaca e tempo de reação de atletas de futebol de alto rendimento em diferentes períodos de treinamento. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

*MORTATTI, A.L. Níveis de IgA e cortisol salivar associados à incidência de infecções do trato respiratório superior de jovens futebolistas de alto nível. Tese de Doutorado do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2011.

*PESCA, A. D. Intervenção psicológica em um trabalho interdisciplinar na recuperação de atletas lesionados de futebol. Dissertação de Mestrado do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2004.

RIBEIRO JÚNIOR, E. J. F. Estresse psicofisiológico em atletas de tênis infanto juvenil masculino. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

*ROCHA, P. G. M.; LOPES, J. L.; MORAES, S. M. F. Efeito da alteração ambiental sobre componentes psicológicos e parâmetros fisiológicos durante corrida em atletas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.26, n. 2, p. 381-386, 2010.

*ROZEN, W. M.; FELDMAN, G.; HORNE, D. J. L. Salivary cortisol as a measure of stress in Australian Football League Footballers. Individual Differences Research, v.5, n.3, p. 221-229, 2007.

*SANTOS, P. B. Estresse psicofisiológico em atletas de futebol de campo categoria sub-17. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

*SANTOS, P. B.; KUCZYNSKI, K. M.; MACHADO, T. A.; OSIECKI, A. C. V.; STEFANELLO, J. M. F. Psychophysiological stress in under 17 soccer players. Journal of Exercise Physiology, v. 17, n. 2, p. 67, 2014.

SARAFINO, E. P. Health Psychology: biopsychosocial interactions. (6th ed.). New York: John Wiley & Sons, 2008.

SILVA, A. M. B. Influência da música na percepção de esforço, nas concentrações de cortisol e no VO2 máx. em teste de esforço máximo em atletas de elite de maratona. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, 2011.

*SIMÕES, C. S. M. Análise das percepções de qualidade de vida, do estresse e da recuperação de atletas de voleibol de diferentes categorias. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

SKINNER, E. A; EDGE, K.; ALTMAN, J.; SHERWOOD, H. Searching for the Structure of Coping: a review and critique of category systems for Classifying ways of coping. Psycological Bulletin, vol. 129, n. 2, p. 216-269, 2003.

TAYLOR, S. E. Health psychology (7th ed.). Boston: McGraw-Hill, 2009.

THATCHER, J.; DAY, M. C. Re-appraising stress appraisals: the underlying properties of stress in sport. Psychology of Sport and Exercise, vol. 9, n. 3, p. 318-335, 2008.

VÁGULA, S.; SOUZA, V. F. M.; PIASECKI, F.; MAIA, M. A. C.; PEREIRA, V. R. Análise comparativa da motivação entre atletas de voleibol de um município do noroeste do Paraná. Ciência e Cuidados com a Saúde, v.7, suplem. 1, p. 94-99, 2008.

VANAELST, B.; VRIENDT, T.; HUYBRECHTS, I.; RINALDI, S.; HENAUW, S. Epidemiological approaches to measure childhood stress. Paediatric and Perinatal Epidemiology, v. 26, n.3, p. 280-297, 2012.

VERARDI, C. E. L. Burnout e estratégias de enfrentamento em jogadores de futebol profissionais e amadores. Tese de Doutorado do Departamento de Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, 2008.

VIEIRA, R. R. Estresse: significados e condições que interferem no desempenho de atletas de voleibol. Dissertação de Mestrado do Departamento de Educação Física da Universidade São Judas Tadeu, 2011.

Endereço: https://revista.eefd.ufrj.br/EEFD/article/view/501

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.