Estresse e Recuperação de Atletas de Futebol de Alto Rendimento em Treinamento

Por: Whyllerton Mayron da Cruz.

2009

Send to Kindle


Resumo

O estudo teve por objetivo investigar o estresse e a recuperação de atletas de futebol de alto rendimento em diferentes momentos durante o treinamento no início da temporada. Caracterizado como uma pesquisa de campo, trata-se de um estudo de caso avaliativo descritivo, ex-post-facto. Participaram desta investigação 12 atletas de futebol de alto rendimento do sexo masculino de um clube profissional do Estado de Santa Catarina credenciado a Confederação Brasileira de Futebol. Os atletas foram selecionados intencionalmente e por conveniência sendo classificados conforme os itens do questionário de caracterização geral adaptado de Brandt (2008). Para a coleta de dados foram utilizados os seguintes instrumentos: Questionário de avaliação do estresse e recuperação - RESTQ-Sports (KELLMANN e KALLUS, 2001); Instrumento de Avaliação dos Estados de Humor, validado por Hohlfs, (2006). Questionário de Avaliação da Qualidade do sono – Pittsburgh Sleep Quality Index – PSQI (BUYSSE et al., 1989) validado para o Brasil (KONRAD, 2005). Essas medidas foram realizadas em três momentos distintos no treinamento: A1 – (Avaliação Inicial) - início da temporada competitiva no ano de 2009; A2 - Avaliação após 3 semanas do início do treinamento e A3 - Avaliação após 6 semanas da realização dos treinamentos. Os dados foram tabulados e analisados no programa “Statistic Package for Social Sciences” – SPSS versão 13.0 sendo utilizada estatística descritiva e inferencial para análise. Os resultados indicaram que os atletas são jovens (17,83 anos ±0,57), estatura (179,67 cm ±5,56) e peso médio (71,83 kg ±6,7) e possuem uma boa auto-avaliação de saúde. Apresentaram baixo estresse e alta recuperação nos diferentes momentos de treinamento com diferença significativa para a variável fadiga (p= 0,004). Os estados de humor revelaram-se dentro de um padrão adequado para atletas considerando a demanda de treinamento, destacando diferenças significativas para tensão (p=0,013), fadiga (p=0,016) e confusão mental (p=0,041). Os escores das avaliações da qualidade do sono não se alteraram e permaneceram dentro de um indicativo considerado bom. O estresse e a recuperação não se correlacionaram com as variáveis de estados de humor e com as dimensões da qualidade do sono nos três momentos distintos de treinamento, isso pode indicar que as avaliações devam ser realizadas separadamente. Estes resultados apóiam a hipótese de que avaliações individuais são mais fidedignas que avaliações de grupos de atletas, principalmente quando se consideram os fatores psicológicos, de desempenho e de saúde de atletas de futebol de alto rendimento nos períodos de intenso treinamento.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.