Estrutura Organizacional e Perfil do Gestor de Equipes Participantes da Liga de Basquete Feminino (lbf) 2011/2012

Por: e Vivian da Silva Gitti.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.2 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

A organização e a estruturação de equipes esportivas é um fator determinante para o sucesso e o desenvolvimento das modalidades no país. Embora o basquetebol apresente resultados relevantes no cenário internacional, são raros os estudos sobre a estrutura e organização do basquetebol feminino nacional. O objetivo desta pesquisa foi descrever e analisar as características das estruturas organizacionais, assim como o perfil dos gestores das equipes de basquetebol feminino participantes da LBF (Liga Basquete Feminino) na temporada de 2011/2012. Foi aplicado questionário aos gestores das equipes e os dados analisados através de estatística descritiva e análise de conteúdo. Concluiu-se que a maioria das equipes apresenta estrutura organizacional simples e que o perfil do gestor indica carências em relação ao que o mercado esportivo profissional exige. São apontados aspectos que podem contribuir para o aperfeiçoamento dos processos de gestão de organizações esportivas.

REFERÊNCIAS

Azevêdo, P. H. (2009). O esporte como negócio. Estudos, 36(9/10), 929-939.

Bastos, F.C., Barhum, R., Alves, M., Bastos, E., Mattar, M., Rezende, M., Mardegan, M., & Bellangero, D. (2006). Perfil do administrador esportivo de clubes de São Paulo/Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 5(1), 13-22.

Bizzochi, C. (2008). O voleibol de alto nível: da iniciação à competição (3ª edição). São Paulo: Manole.

Capinussú, J.M. (2005). Formação de recursos humanos e a necessidade de uma administração desportiva moderna capaz de influir de forma positiva no desempenho da equipe e do atleta. Arquivos em Movimento, 1(1), 87-93.

Durieux, A. (2005). O processo de empresarização do voleibol catarinense. 148 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Curso de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

Ferreira Júnior, R. (2008). NBA, CBB E NLB: relações de poder no universo organizacional do basquetebol brasileiro. Dissertação (Mestrado) Mestrado em Educação Física, no Departamento de Educação Física, Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná.

Gitti, V., De Rose JR, D.,(2005). Histórico em números do Basquetebol Feminino em Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. Efdeportes, Revista Digital. Buenos Aires 10 (81). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd81/basquete.htm . Acesso em 30 junho 2012.

Hirata, E., & Pilatti, L. A. (2009). Potencial Mercantil de uma equipe esportiva profissional. Rev. Bras. Cienc. Esporte, 30(3), 127-141.

Iglesias, X., & Tarragó, R. (2010). Modelos do Esporte na Espanha. Catalunha. CEAv - Centro de Estudos Avançados, Revista Estudos Avançados da Unicamp online. Disponível em:

http://www.gr.unicamp.br/ceav/revista/content/reau_artigosdiversos.php?id=k4783940t6 Acesso em: 15 Janeiro 2012.

Klein, G. (2008). Projeto Gigante das quadras: desenvolvimento de uma proposta sob a ótica do marketing esportivo. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Liga de Basquete Feminino (LBF). (2012). Sobre a LBF. Disponível em: http://www.ligadebasquetefeminino.com.br/sobrealbf/institucional/. Acesso em 15 janeiro 2012.

Maroni, F. C., Mendes, D. R., & Bastos; F. C. (2010). Gestão do voleibol no Brasil. Rev. bra.Educ.Fis.Esporte, 24(2), 239-248.

Pitts, B. G., & Stotlar, D. K. (2002). Fundamentos de marketing esportivo. Tradução: Ieda Moriya. São Paulo: Phorte.

Pizzolato, E. A. (2004). Profissionalização de Organizações Esportivas: estudo de caso do Voleibol Brasileiro. Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica PUC-RJ, Departamento de Administração.

Proni, M. W. (1998). Marketing e Organização Esportiva: Elementos para uma história recente do esporte-espetáculo. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, 1(1), 74-84,82-94.

Sarmento, J.P.; Pinto, A.; Oliveira, A.E. (2006). O perfil organizacional e funcional do gestor desportivo em Portugal. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo,.20, p.153-55, Suplemento n.5.

Slack T., & Parent, M. M. (2006). Understanding sport organizations: the application of organization theory. Champaign: Human Kinetics.

Vergara, S.C. (2006). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (6ª edição). São Paulo: Atlas.

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/56

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.