Estudo das Adaptações Autonômicas, Metabólicas e Funcionais Decorrentes da Utilização do Sistema de Cargas Seletivas Durante Um Macrociclo de Treinamento em Atletas de Basquetebol

Por: José Henrique Mazon.

2015 06/11/2015

Send to Kindle


Resumo

O estudo se propôs a investigar em atletas de basquetebol, as adaptações decorrentes da utilização do modelo de cargas seletivas de periodização (SCS) sobre a modulação autonômica da variabilidade da frequência cardíaca (VFC), sensibilidade baroreflexa (SBR), limiar de anaerobiose (LA), marcadores de estresse endógenos e capacidade funcional de membros inferiores (MMII), durante um macrociclo de treinamento. Foram estudados 22 atletas do sexo masculino e as avaliações foram realizadas em quatro momentos específicos do macrociclo (início da etapa de preparação, P1; início e término da segunda etapa de competição, P2 e P3; término da terceira etapa de competição, P4). A VFC foi investigada no domínio do tempo (RMSSD- raiz quadrada da somatória do quadrado das diferenças entre os iR-R adjacentes no registro dividido pelo número de intervalos R-R, menos um, expressa em ms), no domínio da frequência (análise espectral pela transformada rápida de Fourier) e também por meio de análise simbólica. A SBR foi avaliada pelo método da sequencia. Também foram realizados testes ergoespirométricos para determinação do limiar de anaerobiose e exames laboratoriais para dosagens plasmáticas de catecolaminas, cortisol, testosterona livre, ureia e creatinoquinase. Adicionalmente, para determinação da capacidade funcional de MMII, foram avaliadas as capacidades de força muscular (dinamômetria isocinética dos extensores e flexores de joelhos) e potência de salto (plataforma de força). Os resultados demonstraram que o sistema e a estruturação do treinamento utilizada não promoveram mudanças na modulação autonômica da VFC, VPA e SBR em repouso. Por sua vez, houveram alterações nos parâmetros relacionados com o limiar de anaerobiose, sugerindo uma possível melhora da capacidade aeróbia dos atletas. No que diz respeito aos marcadores hormonais, foram observadas reduções na concentração plasmática de catecolaminas e cortisol, que parecem refletir adaptações positivas às cargas de trabalho utilizadas durante o macrociclo de treinamento. Por fim, não foi observada nenhuma diferença nos parâmetros avaliados de força muscular e potência de salto dos atletas, sugerindo que o desempenho destas capacidades físicas, no presente estudo, parece relacionado com a especificidade das cargas de trabalho utilizadas no decorrer do macrociclo e pode não refletir o efeito do programa de treinamento em questão.

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17152/tde-06012016-223957/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.