Estudos Acadêmicos sobre o Remo: a Educação Física Como Campo de Produção de Conhecimento Histórico

Por: Carolina Fernandes da Silva, Mário Machado Farias e Sara Fantin Ribeiro.

Motrivivência - v.32 - n.61 - 2020

Send to Kindle


Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender como está configurada a produção do conhecimento sobre o remo no campo da Educação Física. Através da técnica Estado da Arte, realizou-se um levantamento das produções acadêmicas sobre o remo no período de 2000 a 2018, utilizando como palavras-chave remo e rowing. Foram encontrados 37 estudos. Para a análise, determinou-se as seguintes categorias: quantidade de estudos por ano, perspectiva (geral ou histórico-cultural), região, área de conhecimento e idioma. A área da Educação Física, dentre tantas outras áreas que poderiam fomentar e desenvolver estudos sobre o remo e sobre esporte em geral, concentra a maioria das produções. Ou seja, o remo, sobretudo no que diz respeito a sua compreensão, tornou-se um tema da tradição e da cultura dessa área de conhecimento chamada Educação Física. Tais dados indicam que os estudos históricos representam um produtivo subcampo de conhecimento da Educação Física.

Palavras-chave


Remo; Produção acadêmica; Pesquisa histórica

Texto completo:

PDF/A

Referências

AGUIAR, André Andrade de. Avaliação da microbiota bucal em pacientes sob uso crônico de penicilina e benzatina. 2009. Tese (Doutorado em Cardiologia) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Nova Fronteira, 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAVARESCO, Agemir; BARBOSA, Evandro; ETCHEVERRY, Katia Martin (org.). Projetos de filosofia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. E-book. Disponível em: http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/projetosdefilosofia.pdf. Acesso em: 21 ago. 2011.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 139, n. 8, p. 1-74, 11 jan. 2002. PL 634/1975.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer técnico nº 06370/2006/RJ. Rio de Janeiro: Ministério da Fazenda, 13 set. 2006. Disponível em: http://www.cade.gov.br/Plenario/Sessao_386/Pareceres/ParecerSeae-AC-2006-08012.008423-International_BusInes_MachIne. PDF. Acesso em: 4 out. 2010.

FERREIRA, Léslie Piccolotto (org.). O fonoaudiólogo e a escola. São Paulo: Summus, 1991.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). BNDIGITAL I: Coleção Casa dos Contos. Rio de Janeiro, 23 fev. 2015. Facebook: bibliotecanacional.br. Disponível em: https://www.facebook.com/bibliotecanacional.br/photos/a.241986499162080.73699.217561081604622/1023276264366429/?type=1&theater. Acesso em: 26 fev. 2015.

VOLPATO, Gilson Luiz. Como escrever um artigo científica. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, v. 4, p. 97-115, 2007. Disponível em: http://www.gilsonvolpato.com.br/pdf/2007%20Volpato%20-%20Como%20escrever%20um%20artigo%20cient__fico%20-%20Academia%20Pernambucana.pdf. Acesso em: 24 nov. 2018.

IBGE. Amparo: região sudeste do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

LUCK, Heloisa. Liderança em gestão escolar. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 2013. Disponível em: http://www.priberam.pt/dlDLPO. Acesso em: 8 mar. 2016.

ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, Giovani; SCHMIDT, Jean-Claude. (orgs.). História dos jovens 2: a época contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 7-16.

TAVARES, Raul. O combate naval do Monte Santiago. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 155, t. 101, p. 168-203, 1953.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2020e64910

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.