Eu S/A: a Identidade Desejada na Formação Inicial em Educação Física

Por: Marcos Garcia.neira e Mário Luiz Ferrari Nunes.

Educação e Pesquisa. Revista da Faculdade de Educação da USP - n.44 - 2018

Send to Kindle


Resumo

A hegemonia da racionalidade neoliberal tem produzido novas formas de controle e regulação das populações. Enquanto instituição inserida nesse contexto, a universidade vem sendo capitulada pelas leis do mercado e chamada a operar a construção de certo tipo de sujeito afeito a um novo ethos de vida. A partir da noção de currículo como prática de significação que projeta e governa identidades, e compreendida como modalidade de investimento, como qualquer outra mercadoria ou bem de consumo, a formação superior não apenas determina em grande parte o que as pessoas devem fazer, mas, principalmente, quem são ou podem ser. Por conseguinte, especifica, também, o que elas não devem ser e os problemas que isso pode acarretar para quem não se alinhe aos seus ditames. Com base nesses pressupostos, neste artigo se examinam algumas das atividades presentes em um curso de formação inicial em Educação Física de uma Instituição de Ensino Superior privada que visam subjetivar seus sujeitos de modo a atender as referidas demandas. Para tanto, foram submetidos à análise cultural os textos escritos e orais coletados mediante observações seguidas de registros em diário de campo e compilação de mensagens eletrônicas encaminhadas à comunidade universitária, além das campanhas publicitárias e informações disponíveis no site institucional. Os resultados apontam que o modo de subjetivação colocado em circulação pelo currículo projeta a identidade do sujeito EU S/A.

REFERÊNCIAS

BALL, Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001. [ Links ]

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005. [ Links ]

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008b. [ Links ]

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. [ Links ]

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008a. [ Links ]

BURBULES, Nicholas; TORRES, Carlos Alberto. Globalização e educação: uma introdução. In: BURBULES, Nicholas; TORRES, Carlos Alberto. Globalização e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004. p. 11-26. [ Links ]

COSTA, Marisa Vorraber. Estudos culturais: para além das fronteiras disciplinares. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.) Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: UFRGS, 2000. p. 13-36. [ Links ]

DRUCKER, Peter. A sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1999. [ Links ]

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008. [ Links ]

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, p. 93-130, abr. 2003. [ Links ]

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação e Realidade,Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, 1997. [ Links ]

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: D,P&A, 2001. [ Links ]

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG; Brasília, DF: Representações da Unesco no Brasil, 2003. [ Links ]

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1993. [ Links ]

LIPOVETSKY, Gilles. O reino da hipercultura: cosmopolitismo e civilização ocidental. In: JUVIN, Hervé; LIPOVETSKY, Gilles. A globalização ocidental: controvérsias sobre cultura planetária. Barueri: Manole, 2012. p. 01-67. [ Links ]

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabet. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011. [ Links ]

MANCEBO, Deise. Reforma da educação superior no Brasil: análise sobre a transnacionalização e a privatização. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 7, n. 21, p. 103-123, maio/ago. 2007. [ Links ]

McLAREN, Peter. Multiculturalismo revolucionário: pedagogia do dissenso para novo milênio. Porto Alegre: Artmed, 2000. [ Links ]

NEIRA, Marcos Garcia. Desvelando Frankensteins: interpretações dos currículos de licenciatura em educação física. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, Cristalina, v. 1, n. 1, p. 118-140, ago. 2017. [ Links ]

NUNES, Mário Luiz F. Educação física e esporte escolar: poder, identidade e diferença. 2006. 206 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. [ Links ]

POPKEWITZ, Thomas S. A reforma como administração social da criança: globalização do conhecimento e do poder. In: BURBULES, Nicholas; TORRES, Carlos Alberto. Globalização e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004. p. 107-125. [ Links ]

SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995. [ Links ]

SILVA, Tomaz Tadeu.Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. [ Links ]

SILVA, Tomaz Tadeu. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. [ Links ]

TORRES SANTOMÉ, Jurjo. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998. [ Links ]

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-97022018000100440&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.