Eu Sou da Lira Não Posso Negar: Malandros e Capoeiras do Rio Antigo à Era Vargas.

Por: Jorge Felipe Moreira, Rômulo Meira Reis e Simone Freitas Chaves.

XVIII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e V Conice - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

A tese que perpassa essa pesquisa é a de que a imagem do capoeira se constrói associada à figura do malandro, ambos perseguidos pelo poder estabelecido ao longo da história, resignificando-se. Assim, o recorte temporal deste texto se situa na análise da imagem do malandro em obras literárias e sambas de 1920 a 1940 e sua íntima articulação com manifestações afro-brasileiras, especificamente a capoeira. Como conclusão consideramos que a associação samba, malandragem e capoeira, retrata traços históricos do Rio Antigo decorrentes das façanhas de Guaiamus e Nagoas que podem ter servido de inspiração para o surgimento do malandro, aportando na resignificação desse personagem no Estado Novo da era Vargas, concomitante a um embrionário processo de institucionalização da capoeira.

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.