Eurípes Bernardino Bezerra - – Pioneiro da Educação Física no Maranhão

Por: .
Send to Kindle


~~EURÍPES BERNARDINO BEZERRA - nasceu em 17 de dezembro de 1915, na cidade de Curador (hoje, Presidente Dutra); filho de Ludgero Alves Bezerra (cearense) e de Maria Bernardina de Oliveira (maranhense). Maria Bernardina era irmã do legendário Manoel Bernardino, o Lenine do Sertão.
Ingressou na Polícia Militar, como soldado,  em 1936;  promovido a 3º Sargento, por ter feito curso de enfermeiro; em 1941, foi para o Rio de Janeiro cursar Educação Física, na Escola do Exército, a mando do Interventor Paulo, Ramos; na volta, passa a ser o responsável pela educação física na Polícia e torna-se professor do Marista e São Luís.
Em 1967, é reformado no posto de Coronel PM, após passar pelo Gabinete Militar do Governo Sarney - José Sarney fora seu antigo aluno de educação física, nos Maristas. Foi Deputado Estadual, Prefeito de Imperatriz, Vereador por São Luís; Delegado de Polícia em 105 municípios maranhenses. Por 65 anos prestou serviço público; 55 anos de casamento; 35 de Lions Clube; 40 anos de PTB.
CARREIRA NA POLÍCIA - Na Polícia Militar eu cheguei como retirante, vindo do interior do Estado, lavrador convidado por um amigo, para vir aqui em São Luis, com o apelido de Seringueiro; me deu o  número [endereço] da Rua 28 de Julho, para eu falar com ele;  quando eu cheguei, não estava mais na 28 de Julho, não era Seringueiro, não era residência; era o Colégio Maranhense ... não, era Escola Modelo; e com essa circunstância, eu voltei para a Praça João Lisboa, onde fiquei dormindo em cima do banco; pela manhã, fui detido  pelo investigador Zé Lopes - que eu não tinha onde dormir -, me levou para a Central de Polícia, e lá eu fiquei carregando comida para os presos do Quartel, lá no Hospital Geral, para Polícia Civil, que era na Igreja de São João; daí eu fui dando recado, comprando cigarro, para os presos por ai, até que a mudança da comida do Hospital Geral, passou para a Polícia Militar, e lá na Polícia Militar eu fiquei levando as comidas; achei bonito os toque de corneta - tinha segundo ano primário - achei bonito o toque de corneta, pedi a um cabo, filho do tenente França (Francisco Soreano de França) se era possível eu servir à Polícia Militar, ele disse: - só se tiver com os documentos; eu não tinha documentos, arranjei na Polícia Civil um atestado de miserável, tirei uma certidão, provando que eu era do Maranhão mesmo - eu tinha uma certidão, filho de outra mãe, do Ceará, meu pai tinha trocado -; daí sentei praça, como soldado. De soldado, passei quase um ano, fiz o curso de Sargento, fiz o curso de enfermeiro, fui Sargento-enfermeiro; fui sargento da ativa, comecei a estudar e na ativa fui fazer Escola de Educação Fisica no Rio de Janeiro, na época do Governo de Paulo Ramos, em 1941, na escola do Exército, do Parque São João, na Urca.
CARREIRA NA NA EDUCAÇÃO FÍSICA - Em 1942, e fui logo indicado para lecionar no Colégio Marista e Colégio São Luís, do professor Luís Rego e do professor irmão Floriano, do Colégio Marista. Na Polícia Miltar, era responsável pela educação fisica, Diretor da educação física do quartel com os meus companheiros auxiliares, Emílio me auxiliava, sargento Sirino, com serviço prestado, eles ajudavam no quartel, também o Soares Nascimento, hoje dentista formado.
No Colégio dos Maristas, era o único professor de educação fisica especializado na escola, foi ai que os meus alunos foram, José Sarney, Pedro, Dejard Martins, Mauro Fecury, João Castelo, Ribamar Fiquene, e tantos outros daquela geração. A Educação Física naquela época, era o método francês, a modalidade de ensino era:  os exercícios preparatórios e propriamente ditos, constituía-se evoluções de marchas e depois os exercícios  de saltar, trepar, levantar, e despertar, correr, atacar e defender e volta a calma, exercícios progressivos sem solução de continuidade. Era o mesmo método, trazido pela Colônia Francesa, pela Missão Francesa em 1922, para o Brasil. Permaneceu por 27 nos Maristas, aposentado como professor por lá pelo INPS.

A REFORMA DO COSTA RODRIGUES - fizemos uma demonstração de ginástica tão bonita que ministro dos esportes [refere-se ao secretário de educação do estado da época] Carlos Vasconcelos - era o médico de educação fisica -, o negócio ficou tão bonito que o Eurípedes, Dimas e Cirino... Que quando acabou a demonstração, a passagem do povo, e outros dois por pedido de modalidades de exercícios difíceis, o ministro nos deu de presente 400 mil contos para fazer a arquibancada do Costa Rodrigues; aquela arquibancada do Costa Rodrigues foi graças a nossa demonstração de educação fisica no Costa Rodrigues, que ele nos deu esse presente de 400 mil que o carlos vasconcelos já prefeito de São Luis,  já aplicou no Costa Rodrigues, que a Sedel de hoje.

O EPISÓDIO DO GENERAL BASTINHO ... Em todas elas eu colocava Educação Fisica. Em Cajarí mataram o Prefeito, mataram o Delegado e mataram o Presidente da Câmara, mataram o Presidente do Correio, o homem da oposição, mataram o chefe do destacamento.... Fazia tudo isso, e eu fui o delegado, mas nunca deixei de pegar de manhã de 7 às 8. uma turma de 30 a 40 meninos de educação fisica; quando encontro gente por aí esse filho do Jurivê Macedo (Sérgio  Macedo) foi meu aluno no Bairro de Fátima [Bairro de Imperatiz].  Eu, já eleito Prefeito, dando aula de educação fisica lá no Bairro de Fátima dando aula para 50, 60, alunos, para ver exercício em prática e atuais e atuais evoluções, jogos e diversões e exercícios individuais e coletivos.
No Brejo, no Brejo com uma turma com quase 50 alunos de 6:00 às 7: 30 e já vejo alunos até na Aeronáutica, até na América do Norte, até na VASP e em Nova York encontro aluno meu nesse Brasil todinho por aí. No Balsas, por onde passei, fizemos uma Colônia de Férias, Colônia de Férias em Pedreiras, e em Imperatriz e Colônias de Férias em Bacabal e em Japiruí onde passei lá 17 anos; em Cururupú, em Codó, em Pedreiras, essa sociedade todinha são formadas hoje que estamos integrados nos exercícios físicos, conhecer o vigor dos músculos, a potência do cérebro e a jovialidade do espírito.
PREFEITO DE IMPERATRIZ - Como Prefeito eleito, fui delegado de polícia nomeado pelo governo de Newton Belo e prefeito de Imperatriz aconteceu o impossível. O Delegado de Polícia que quando prende é violento e se não prende é relaxado. Foi nessas condições que eu consegui ser eleito Prefeito de Imperatriz, delegado de terra, delegado de polícia, um ruim acordo é melhor que uma boa questão e vamos atenuar a violência do micróbio e evitando os males; dessas condições fui eleito prefeito, perdi por 13 votos e passei a assistente militar encarregado do convenio fiscal Maranhão e Pará, Maranhão e Goiás, Maranhão e Piauí, Maranhão e Pará e dessa movimentação de jovens e diversões; e de fiscalização das fronteiras do Estado. Eu era senhor absoluto dessas fronteiras Maranhão e Pará, Maranhão e Goiás, e Maranhão e Piauí e até o Oceano Atlântico, Tutóia....
Não deu 6 meses. Aconteceu o seguinte: no mês de março chegou uma verba de 4,5 milhões e meio, vamos receber esse dinheiro, vamos fazer a cadeia, fazer o meio-fio da Av. Presidente Vargas, vamos também fazer o muro do cemitério, mais algumas benfeitorias e em março não veio o dinheiro e me abril não veio o dinheiro e em maio não veio o dinheiro... chegou 42 milhões isso foi só seis meses e chegou quatro prefeituras em Imperatriz ficou 42, quando eles vieram [os vereadores] em cima de mim, tipo urubu atrás da carniça, aí eu disse -esse dinheiro não é nosso, não pode ser eu podia aumentar dois ou três mas se eu aumentar 36 não pode de jeito nenhum, mas é daqui, é da prefeitura de Imperatriz a sua disposição para recebê-lo, mas eu não quero, um queria 4, outro queria  2, outros queria 6 no total queriam 24 milhões para eles . Eu fiquei tão enojado com aquilo, vocês sabem de uma coisa, peguei a máquina cansado de escrever...( ? )...,  - "senhores vereadores, minha presença aqui representou um cachorro fiel encarregado de uma carniça gorda, os urubus famintos não permitiram que eu zelasse até o fim, só assim seu instintos podres e imundos que eu saberei cumprir meu dever. Mulher embarcada com a caixa arrumada através da cerrada, adeus!" ...Vim embora, se alguém mandou me buscar no avião Pepê velho não retorna mais. Tinha alguém lá no aeroporto, qual é Zé as suas últimas palavras para...?... de Imperatriz para prefeito Eurico Novaes. E vim embora, mas aí ganhei a eleição, recorreram aqui para o Tribunal, eu ganhei, recorreram para o Supremo, no dia do julgamento lá, o outro morre, aí eu assumi, passaram os direitos para mim como segundo mais votado, aí fui, reassumi o que deu essa argolada toda lá.
REFORMA EM 1969 - Em 1969, ou como professor com mais de vinte e cinco anos de serviço, que em educação fisica é salubridade, ou por tempo de serviço 33 anos de serviço ou por idade,  69 anos, eu escolhi primeiro o da idade por que eu não tinha mais repressão.
Achei que era pouco, achei bonito quando cheguei Sarney, na hora de me aposentar como Coronel, Sarney disse: Agora o que se faz? Devia ser fiscal de renda do Estado. Eu venho de auxiliar de fronteiras e ia ser fiscal de renda... passei para a reserva não remunerada - coronel sem dinheiro a reserva não remunerada de acordo com as atividades militares ... e aí fui enviado a Auditor Fiscal do Estado ganhando dez vezes mais do que salário de polícia, do coronel de polícia, quando é agora, polícia tá na frente e eu fiquei atrás, nem por isso perdi o estímulo.
(Entrevista realizada no dia 21/02/2001, na residência do Coronel Eurípides Bezerra, à Travessa  Parque Atenas,  n° 25)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.