Exercício Físico de Alta Intensidade e Suplementação de Testosterona em Homens com Insuficiência Cardíaca

Por: Lourenço Sampaio de Mara.

2013 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Fundamentação: A insuficiência cardíaca (IC) cursa com disfunções em diversos sistemas, repercussões na qualidade de vida (QV) e função sexual. A hipotestosteronemia é relevante na IC e fator contribuinte para o desbalanço catabolismo/anabolismo que integra a síndrome. Há pouco conhecimento a respeito dos efeitos do exercício de alta intensidade e terapia de suplementação de testosterona (TST) neste contexto. Hipótese: Exercício físico de alta intensidade e TST têm efeito sinérgico para um tratamento mais eficiente em pacientes com IC e baixos níveis de testosterona, inseridos em programa de reabilitação cardíaca (RC). Objetivo: Investigar os efeitos do exercício de alta intensidade e TST em pacientes com IC e baixos níveis de testosterona sérica participantes de programa de RC. Método: Dezenove pacientes portadores de IC (idade média de 58 anos; ± 10; fração de ejeção de 34 ±8%) foram randomizados para o grupo exercício alta intensidade (EAI) ou controle, (n=9) e grupo exercício de alta intensidade com suplementação de testosterona (EAIS) ou intervenção, (n=10). Pacientes exercitaram-se por 12 semanas e o grupo intervenção recebeu testosterona na primeira e sexta semanas. Antes e após o período de estudo foram obtidas medidas do teste cardiopulmonar, teste caminhada dos seis minutos (T6’), ecocardiograma, função endotelial, erétil, perfil hormonal e da QV. Resultados: Houve aumento respectivamente intragrupos, do consumo máximo de oxigênio (12% e 15%; EAI e EAIS; p<0,05 e p<0,01), da distância percorrida no T6’ (15% e 29%; EAI e EAIS; p<0,05 e p<0,01), da curva de eficiência de captação de oxigênio (22% e 14,2%; EAI e EAIS; p<0,05 em ambos os grupos), da velocidade máxima da onda E´ junto ao anel mitral septal (36%; EAI; p<0,05), da velocidade máxima da onda E´ junto ao anel mitral lateral (35%; EAI; p<0,05), do percentual de dilatação mediada pelo fluxo na artéria braquial (56% e 92%, EAI e EAIS, sem significância), dos escores da função erétil (150% e 59%, EAI e EAIS; p<0,01 e p<0,05), da testosterona total (78%, EAIS,p<0,01), da testosterona livre (89%; EAIS; p<0,01), da testosterona biodisponível (89%. EAIS; p<0,01), do hematócrito (8%, EAIS; p<0,01), do antígeno prostático específico (33%; EAIS; p<0,01). Houve diminuição da curva do equivalente ventilatório de dióxido de carbono (5%; EAIS; p<0,05), da relação da velocidade máxima da onda E com a velocidade máxima da onda E´ junto ao anel mitral septal (29%; EAI; P<0,05), do hormônio luteinizante (96%; EAIS; p<0,01), do hormônio folículo estimulante (84%; EAIS; p<0,01), do fator de necrose tumoral-α (42% e 47%, EAI e EAIS; p<0,05 em ambos os grupos), do escore global do Minnesota Living with Heart Failure Questionnaire (54% e 54%;EAI e EAIS; p<0,01 e p<0,05), do domínio físico (52% e 54%; EAI e EAIS; p<0,01 e p<0,05), do domínio emocional (60%; EAIS; p<0,05), do domínio das questões remanescentes (58%; EAI; p<0,01). Entre grupos houve aumento a favor do EAIS nos níveis de testosterona total, testosterona livre e testosterona biodisponível (54%, p<0,05; 48%, p<0,05 e 48%, p<0,05 respectivamente), e diminuição a favor do EAIS nos níveis do hormônio folículo estimulante e luteinizante (83%, p<0,01 e 97%, p<0,01 respectivamente). Conclusões: Pacientes com IC e baixos níveis de testosterona submetidos a programa de exercícios de alta intensidade e TST apresentam melhora da capacidade funcional, dos índices de eficiência ventilatória, da função cardíaca, da QV e função erétil, contudo o estudo não corroborou a hipótese que a TST tem efeito sinérgico associado ao exercício físico de alta intensidade no tratamento destes pacientes.

Endereço: http://www.tede.udesc.br/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.