Exercício Físico Após Imobilização de Músculo Esquelético de Ratos Adultos e Idosos

Por: Adriana Yukie Watanabe, Fábio Yoshikazu Kodama, Guilherme Akio Tamura Ozaki, Robson Chacon Castoldi, Tatiana Emy Koike e Thiago Alves Garcia.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.24 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Introdução: A imobilização é uma técnica de tratamento utilizada frequentemente para redução de dor e prevenção do agravamento da lesão. Entretanto, promove efeitos nocivos no tecido músculo-esquelético, resultando em perda acentuada de função muscular, que pode ser agravada em idosos. O exercício físico constitui intervenção importante para atenuar esses efeitos nocivos. Objetivo: Analisar possíveis alterações morfométricas no músculo gastrocnêmio de ratos após imobilização e remobilização com exercício físico. Métodos: Cinquenta e seis ratos divididos em grupo adulto (A) e grupo idoso (E) e subdivididos em controles adultos e idosos (AC e EC), imobilizado (AI e EI), remobilizado livre (AIF e EIF) e remobilizado por meio de exercício físico (AIE e EIE). Os membros traseiros foram imobilizados com o músculo gastrocnêmio em posição de encurtamento por um período de sete dias, exceto no grupo controle. O protocolo de exercícios foi composto por cinco sessões de natação uma vez por dia (25 minutos/sessão). Os animais foram submetidos à eutanásia por administração de cloridrato de cetamina em dose elevada e cloridrato de xilazina, seguida da coleta da amostra e preparação das lâminas com hematoxilina e eosina. Foram feitas as medidas do menor diâmetro de 120 fibras musculares de cada animal com o software NIS-Elements D3.0 - SP7 - Nikon® instruments Inc.®, NY, EUA. Resultados: Houve redução significante na média do diâmetro das fibras nos grupos AI (38,43 µm ± 4,20; p = 0,01) e AIF (36,97 µm ± 3,41; p < 0,01) com relação ao grupo AC (45,39 µm ± 3,41) e dos grupos EI (42,26 µm ± 4,39; p < 0,01),EIF (36,00 µm ± 4,15; p<0,01) e EIE (41,86 µm ± 4,95; p < 0,01) com relação ao grupo EC (51,37 µm ± 3,86). Os dados mostraram que o exercício foi capaz de restaurar o trofismo muscular nos grupos adultos; entretanto, nenhum dos protocolos teve sucesso nos ratos idosos. Conclusão: A imobilização em posição de encurtamento induziu à atrofia muscular e o exercício físico foi eficaz para restabelecer o trofismo muscular apenas nos animais adultos. Nível de Evidência I; Estudos terapêuticos - Investigação dos resultados do tratamento.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-86922018000100060&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.