Exercício Físico e Memória

Por: Daniela Lopes dos Santos, Marisa Ely Milano e Renata Rosat.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.12 - n.1 - 1998

Send to Kindle


Resumo

A memória é susceptível às influências endógena, hormonal e neuro-humoral especialmente
logo após a aquisição da informação. A amígdala, o septo medial, o hipocampo e o córtex entorrinal estão
envolvidos nos processos de consolidação, armazenamento e evocação. A resposta ao problema dos
mecanismos de armazenamento podem encontrar-se tanto pelo caminho da potenciação de longa duração
como pelo das redes neurais, através de uma interação complementar. A modulação da memória enfoca a
atenção na análise das condições sob as quais a consolidação da memória pode ser alterada. Uma informação
adquirida em determinado contexto neuro-humoral será melhor evocada se durante o processo de evocação o
contexto neuro-humoral for similar ao do momento da aquisição, caracterizando a existência de uma
"dependência de estado". Existem evidências que a retenção é modulada pela liberação ou administração
periférica pós-treino de hormônios normalmente liberados por experiências emocionais e estresses, tais como:
catecolaminas, ACTH, vasopressina, além do peptídeo opióide b-endorfina. Os hormônios e opióides
envolvidos na regulação da memória também estão envolvidos na regulação homeostática do exercício.
Estudos têm demonstrado que a liberação das catecolaminas, vasopressina, ACTH e b-endorfina é estimulada
pelo exercício, fazendo-se uma relação do efeito do exercício na regulação da memória, especialmente
exercícios intensos e os moderados de longa duração.
UNITERMOS:

Endereço: http://www.efmuzambinho.org.br/refelnet/revusp/edicoes/v12n1/v12n1p95.htm

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.