Exercícios Físicos de Alta Intensidade Agudo e Crônico Inibem o Esvaziamento Gástrico de Líquidos em Ratos: Papel da Acidemia e de Via Neuro-humoral

Por: Moisés Tolentino Bento da Silva.

135 páginas. 2012 02/06/2012

Send to Kindle


Resumo

O exercício físico de varias intensidades influencia vários sistemas fisiológicos como (neuromuscular) promovendo aumento de força e massa muscular, (cardiovascular) induzindo bradicardia de repouso e adaptações vasculares, endócrino favorecendo a liberação de vários hormônios hipotalâmicos e até mesmo o sistema gastrintestinal. O exercício físico dependendo da intensidade e volume pode levar alterações de volemia e isquemia gastrintestinal promovendo alterações da motilidade gastrintestinal. O objetivo desse trabalho foi investigar o efeito do exercício físico agudo e crônico sobre o esvaziamento gástrico de líquidos, bem como os possíveis mecanismos envolvendo o equilíbrio ácido-básico e as vias neuro-humorais em tais eventos. Utilizamos ratos machos wistas pesando entre 180 a 250g. Os protocolos de exercício foram divididos em exercício agudo e crônico. O agudo consistiu de natação em um tanque coletivo 5/dias/10-40min. Após 48h da ultima sessão, os ratos foram submetidos a uma sessão aguda de exercício com 5% PC. O exercício crônico consistiu de adaptação ao meio liquido por 5 dias de natação coletiva sem sobrecarga. Quarenta e oito horas após a adaptação, dos ratos foram submetidos ao protocolo de exercício de saltos (4x10 intervalo de 30seg, 5dias/semana/4semanas). Após a sessão de exercício agudo foram avaliados o EG, gasometria arterial, parâmetros hemodinâmicos e mecanismos neurohumorais relacionados aos hormônios OT e CCK bem como a expressão gênica desses hormônios em tecidos gastrintestinais. Já no exercício crônico, foram avaliados o esvaziamento gástrico, trânsito intestinal, complacência gástrica e parâmetros hemodinâmicos. Observamos que tanto os exercícios físicos agudos quanto crônico promoveram diminuição significativa (p < 0,05) no esvaziamento gástrico de líquidos. Além disso, o exercício crônico aumentou significativamente (p < 0,05) a complacência gástrica em relação aos ratos sedentários, sem alteração no transito intestinal. Em relação aos ratos sedentários, os ratos exercício agudo apresentaram quadro de acidose metabólica com diminuição significativa (p < 0,05) nos valore de pH, [HCO3]. Tal alteração no equilíbrio ácido-básico foi prevenido significativamente (p < 0,05) com o prétratamento de NaHCO3 500mg/kg v.o, 40min antes do exercício. Observamos ainda que o pré-tratamento com antagonista de OT e de CCK preveniu significativamente (p < 0,05) a diminuição do esvaziamento gástrico induzido por exercício agudo. O exercício agudo diminuiu significativamente (p < 0,05) os valores relativos na expressão gênica dos hormônios OT e ANP no fundo e piloro dos ratos, quando comparados aos ratos sedentários. Por outro lado, observamos que o exercício agudo aumentou significativamente (p < 0,05) os valores da expressão gênica de CCK no fundo, piloro e duodeno dos ratos quando comparados aos sedentários. O exercício físico agudo quanto crônico induziu dismotilidade gástrica com diminuição do esvaziamento gástrico. O prétratamento com NaHCO3, Atosibana, Devazepide e Ondansetrona preveniu a diminuição do esvaziamento gástrico induzido por exercício agudo. Sugerimos que a dismotilidade induzida pelo exercício pode ser influenciada por uma via relacionada a OT, 5-HT e CCK além de sofrer influencia do equilíbrio acido-básico.

Endereço: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5664

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.