Existem Diferenças na Ativação dos Músculos Agonistas e Antagonistas Durante as Sessões de Formação de Força com Restrição de Fluxo de Sangue Contínuo ou Intermitente?

Por: Elisio Alves Pereira Neto, Gabriel Rodrigues Neto, Heleodório Honorato Santos e Marlon Madeiro.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.27 - n.3 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O treinamento de força (ST) com restrição de fluxo sanguíneo (BFR) tem sido utilizado para aumentar a força e a hipertrofia muscular, no entanto, a melhor estratégia para realizar a BFR (contínua ou intermitente) ainda não foi estabelecida. O objetivo deste estudo foi analisar o efeito crônico do ST com restrição contínua ou intermitente do fluxo sanguíneo (CBFR ou IBFR) na ativação muscular. Um total de 24 homens com experiência em ST foram divididos aleatoriamente em três grupos experimentais: exercícios de baixa carga a 20% de uma repetição máxima (1RM) combinados com CBFR (LL + CBFR), exercícios de baixa carga a 20% de 1RM combinados com IBFR (LL + IBFR), ou exercícios de baixa carga a 20% de 1RM sem BFR (LL). Doze sessões de ST foram realizadas por 6 semanas, duas vezes por semana. Uma análise comparativa da ativação dos músculos bíceps e tríceps braquial após o supino, polia tríceps, e os exercícios das polias bíceps não revelaram interações grupo × avaliação × série, grupo × avaliação, grupo × série ou avaliações × série em relação ao grupo, avaliação ou série (p> 0,05). Entretanto, as avaliações mostraram um aumento significativo no grupo LI + IBFR após a 1ª, 2ª e 4ª séries (p <0,05) apenas em relação à ativação do músculo bíceps. Concluiu-se que as ativações musculares do bíceps e tríceps são semelhantes em relação aos exercícios supino reto, polia tríceps e polia bíceps quando o CBFR é comparado com o IBFR; no entanto, o IBFR melhorou a ativação muscular do bíceps braquial apenas em relação ao exercício de tração frontal. avaliação ou série (p> 0,05). Entretanto, as avaliações mostraram um aumento significativo no grupo LI + IBFR após a 1ª, 2ª e 4ª séries (p <0,05) apenas em relação à ativação do músculo bíceps. Concluiu-se que as ativações musculares do bíceps e tríceps são semelhantes em relação aos exercícios supino reto, polia tríceps e polia bíceps quando o CBFR é comparado com o IBFR; no entanto, o IBFR melhorou a ativação muscular do bíceps braquial apenas em relação ao exercício de tração frontal. avaliação ou série (p> 0,05). Entretanto, as avaliações mostraram um aumento significativo no grupo LI + IBFR após a 1ª, 2ª e 4ª séries (p <0,05) apenas em relação à ativação do músculo bíceps. Concluiu-se que as ativações musculares do bíceps e tríceps são semelhantes em relação aos exercícios supino reto, polia tríceps e polia bíceps quando o CBFR é comparado com o IBFR; no entanto, o IBFR melhorou a ativação muscular do bíceps braquial apenas em relação ao exercício de tração frontal. e exercícios com polias bíceps quando o CBFR é comparado com o IBFR; no entanto, o IBFR melhorou a ativação muscular do bíceps braquial apenas em relação ao exercício de tração frontal. e exercícios com polias bíceps quando o CBFR é comparado com o IBFR; no entanto, o IBFR melhorou a ativação muscular do bíceps braquial apenas em relação ao exercício de tração frontal.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/9877

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.