Fatores Associados à Baixa Qualidade de Vida em Mulheres Idosas Residentes no Município de Jequié – Ba

Por: Alan Michael Moreira dos Santos e .

Arquivos de Ciências do Esporte - v.3 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: Identificar os fatores associados à baixa qualidade de vida em mulheres idosas participantes de grupos de convivência e que eram residentes no município de Jequié, BA. Métodos: A população foi composta por 520 mulheres idosas na faixa etária de 60 a 92 anos, com amostra representativa de 225 idosas, estratificadas por faixa etária e local de atividades (Centros de convivência). Para tanto, foi utilizada uma entrevista construída mediante a composição de partes de outros instrumentos contendo questões relativas às variáveis sociodemográficas, saúde clínica e percebida e aspectos comportamentais. Na análise dos dados foram utilizados procedimentos da estatística descritiva e da regressão logística, p<0,05. Resultados: Há associação da baixa qualidade de vida com a idade (p=0,03), limitações nas atividades instrumentais da vida diária (p=0,03), sintomatologia depressiva (p=0,02), percepção de saúde negativa (p=0,00) e a prática de atividade física no lazer inferior a 150 min/semanais (p=0,03). A percepção pessimista da saúde e o baixo nível de atividade física se mantiveram associados à baixa qualidade de vida, mesmo quando controlados por fatores sociodemográficos e clínicos. Conclusão: Fatores socioeconômicos, comportamentais, saúde percebida e condições clínicas de saúde, apresentam influências significativas nos padrões de qualidade de vida.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados sobre população do Brasil, 2000. Disponível em: . Acesso em: Abril 2008.

Organização Mundial de Saúde. The world health report. Geneva, 2001.

Matsudo SM. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. Rev. bras. Educ. Fís. Esp 2006;20(5):135-7.

Pereira RJ, Cotta RMM, Franceschini SCC, Ribeiro RCL, Sampaio RF, Priore SE et al. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev. psiquiatr. 2006;28(1):27-38.

Seidl EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública. 2004;20(2):580-8.

Malmberg JJ, Miilunpalo SI, Vuori IM, Pasanen ME, Oja P, Haapanen-Niemi NA. A health-related fitness and functional performance test battery for middle-aged and older adults: feasibility and health-related content validity. Arch Phys Med Rehabil. 2002;83(5):666-77.

ANEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. 2003. Disponível em: . Acesso em: Abril 2008.

Centers for Disease Control and Prevention. Behavioral risk factor surveillance system survey questionnaire. Atlanta: U.S. Department of Health and Human Services, CDC; 2000.

Marshall A, Bauman A. The international physical activity questionnaire: summary report of reliability e validity studies. DRAFT IPAQ summary, 2001, p.1-25.

Cardoso V, Gonçalves LH. Instrumentos de avaliação da autonomia no desempenho das atividades da vida diária do cliente idoso. Arq. Catarin. Med. 1995;24(4):41-48.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-bref". Rev. Saúde Pública. 2000;34(2):178-83.

Sprangers MA, de Regt EB, Andries F, van Agt HM, Bijl RV, de Boer JB,. et al. Which chronic conditions are associated with better or poorer quality of life? J. Clin. Epidemiol. 2000; 53(9):895-907.

Ferraz AF, Peixoto MRB. Qualidade de vida na velhice: estudo em uma instituição pública de recreação para idosos. Rev. esc. enferm. 1997;31(2): 316-38.

Gomes FA, Ferreira PC. Manual de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Ed. Brasileira de Medicina;1987.

Trentini CM, Chachamovich E, Figueiredo M, Hirakata, VN, Fleck MPA. A percepção de qualidade de vida do idoso avaliada por si próprio e pelo cuidador. Estudos de Psicologia. 2006;11(2):191-7.

Virtuoso-Júnior JS, Guerra RO. Fatores associados às limitações funcionais em idosas de baixa renda. Rev. Assoc. Med. Bras. 2008;54(5):430-435.

American College of Sports Medicine, Chodzko-Zajko WJ, Proctor DN, Fiatarone Singh MA, Minson CT, Nigg CR, et al. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and physical activity for older adults. Med Sci Sports Exerc. 2009;41(7):1510-30.

Organização Mundial de Saúde. Classificação internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: décima revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para classificação das doenças em português;1993

Alves LC, Rodrigues RN. Determinantes da autopercepção de saúde entre idosos do Município de São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2005; 17(5-6):333-41.

Loch MR, Konrad LM, Santos PD, Nahas MV. Percepção de saúde e associação com a aptidão física relacionada à saúde em universitários da UFSC. In: XXVIII Simpósio Internacional de Ciências do Esporte; 2005; São Paulo, Brasil. Edição Especial da R. Bras. Ci. e Mov. 2005;13:55.

Bercovich A.M. Características regionais da população idosa no Brasil. Rev. bras. estud. popul. 1993;10(1-2):125-144.

Rosa TEC, Benício MHA, Latorre MRDO, Ramos LRo. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Rev. Saúde Pública. 2003;37(1):40-48.

Borglin G, Jakobsson U, Edberg AK, Hallberg IR. Self-reported health complaints and their prediction of overall and health-related quality of life among elderly people. Int J Nurs Stud. 2005;42(2):147-58.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/1960

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.