Fatores Associados à Prática de Atividade Física de Aposentados da Cidade de Rio Claro

Por: D. T. Ueno, J. L. R. Costa, M. C. Barreto e P. N. Micali.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

A aposentadoria geralmente acompanhada da terceira idade onde ocorre a interrupção do trabalho, e parte do dia torna-se mais ocioso. Esta população passa por grandes mudanças no estilo de vida que pode influenciar no nível de atividade física dessa população. Estudos mostram que pessoas fisicamente ativas possuem menor risco de doenças cardíacas, diabetes, obesidade e alguns tipos de câncer, associando a atividade física regular à saúde e longevidade. O objetivo do presente estudo foi analisar a associação entre a prática de atividade física de aposentados em relação às variáveis de sexo, idade, escolaridade, estado civil, causa da aposentadoria e classificação socioeconômica. Este é um estudo transversal de base populacional que faz parte de um projeto maior. Para um levantamento de dados foi realizado na cidade de Rio Claro em 2008, após seis anos iniciou-se um novo levantamento relacionado à prevalência e fatores associados a atividade física, para reavaliar a mesma amostra do estudo anterior. A coleta dos dados foi realizada nos domicílios sorteados, sendo estes compostos pelos setores ímpares (classificados de acordo com os critérios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No presente estudo participaram 159 aposentados com média de idade de 69 anos, os quais responderam questionários referentes às variáveis apresentadas no objetivo. A Análise dos dados foi realizada pelo programa estatístico SPSS 21. Foi realizada uma análise descritiva das variáveis, sendo os resultados expressos em valores percentuais e o Teste do quiquadrado apresentados pelo Cramer´s V para verificar a associação entre as variáveis. Os resultados encontrados para análise descritiva foram sexo: homens (40,8%), mulheres (52,2%), atividade física após a aposentadoria: mais (31,4%), menos (40,9%), igual (27%), estado civil: casado (66,7%), solteiro (5%), viúvo (19,5%), amasiado (1,9%), divorciado (6,9%), causa da aposentadoria: tempo de serviço (67,9%), compulsória (1,3%), idade 23,3%), invalidez (4,4%), especial (3,1%), escolaridade: até a 4° série incompleta (25,8%), até a 4° série (24,5%), primeiro grau completo (9,4%), segundo grau completo (22,6%), superior (17,6%), classe social, A (19,5%), B (40,3%), C (10,7%), recusas (28,9%). De acordo com o teste quiquadrado as variáveis que apresentaram associação significativa (p < 0,01) com a variável atividade física foram tipo de aposentadoria X² (,426), p (,000) e classe social X² (,264), p (,044). Essa associação está relacionada com a prática de atividade física após a aposentadoria. Diante disso se faz necessário que mais estudos sejam realizados para verificar quais tipos de aposentadoria possui maior influencia na prática de atividade física e como a classe social desse grupo também influencia nessa prática, para que programas de promoção à saúde possam ser incentivados para esta população que parece ter poucas oportunidades de práticas corporais.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.