Fatores Contábeis Explicativos da Política de Estrutura de Capital dos Clubes de Futebol Brasileiros

Por: Cleston Alexandre dos Santos, Juçara Haveroth e Paulo Roberto da Cunha.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Este artigo teve por objetivo evidenciar os fatores contábeis explicativos da política de estrutura de capital dos clubes de futebol brasileiros. O estudo caracteriza-se como descritivo, realizado por meio de análise documental e abordagem quantitativa. Foram analisados 40 clubes de futebol, sendo 20 da série A, 15 da série B e 5 da série C com as demonstrações contábeis de 2015 publicadas. A análise dos dados foi realizada por meio de análise descritiva, correlação de Pearson e análise de regressão múltipla por meio do Software SPSS® versão 22.0. Os resultados encontrados apontam que o tamanho e rentabilidade influenciam de forma negativa o endividamento dos clubes de futebol enquanto a tangibilidade influência de forma positiva o mesmo, confirmando estas hipóteses. Ao contrário a liquidez e o intangível, não foram consideradas estatisticamente significantes, ou seja, não influenciam de forma significativa e negativa o endividamento dos clubes de futebol brasileiros das séries A, B e C pesquisados, refutando para estes casos as hipóteses levantadas.

Assaf Neto, A. (2010). Estrutura de análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Bah, R., & Dumontier, P. (2001). R&D intensity and corporate financial policy: Some international evidence. Journal of Business Finance & Accounting, 28(5-6), 671-692. DOI: 10.1111/1468-5957.00389.

Balakrishnan, S., & Fox, I. (1993). Asset specificity, firm heterogeneity and capital structure. Strategic Management Journal, 14(1), 3-16. DOI: 10.1002/smj.4250140103.

Bastos, D. D., & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), 75-94.

Bastos, D. D., Nakamura, W. T., & Basso, L. F. C. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas na América Latina: um estudo empírico considerando fatores macroeconômicos e institucionais. Revista de Administração Mackenzie, 10(6), 47-77. DOI: 10.1590/S1678-69712009000600005.

Brandão, A. R. (2012). O endividamento dos clubes de futebol no Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil.

Brito, G. A. S., Corrar, L. J., & Batistella, F. D. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 18(43), 9-19. DOI: 10.1590/S1519-70772007000100002.

Brito, R. D., & Lima, M. R. (2005). A escolha da estrutura de capital sob fraca garantia legal: o caso do Brasil. Revista Brasileira de Economia, 59(2), 177-208. DOI: 10.1590/S0034-71402005000200002.

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. (2007). Análise Multivariada para os Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Editora Atlas.

Costa Pereira, A. G., Brunozi Júnior, A. C., Kronbauer, C. A., & Abrantes, L. A. (2015). Eficiência técnica e desempenho econômico-financeiro dos clubes de futebol brasileiros. Reuna, 20(2), 115-138.

Couto, G., & Ferreira, S. (2010). Os determinantes da estrutura de capital de empresas do PSI 20. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 9(1-2), 26-38.

Damascena, L. G., & Paulo, E. (2013). Pareceres de auditoria: um estudo das ressalvas e parágrafos de ênfase constantes nas demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. Revista Universo Contábil, v.9, n.3, p. 104-127.

Dantas, M. G. S., & Boente, D. R. (2011). A eficiência financeira e esportiva dos maiores clubes de futebol europeus utilizando a análise envoltória de dados. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(13), 75-90. DOI: 10.11606/rco.v5i13.34805.

Dantas, M. G. S., Machado, M. A. V., & da Macedo, M. A. da S. (2015). Fatores determinantes da eficiência dos clubes de futebol do Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(1), 113-132.

Deesomsak, R., Paudyal, K., & Pescetto, G. (2004). The determinants of capital structure: evidence from the Asia Pacific region. Journal of Multinational Financial Management, 14(4), 387-405. DOI :10.1016/j.mulfin.2004.03.001.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F., & Cham, B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisão. São Paulo: Campus.

Frey, I. A., & Cunha, R. Z. (2014). Demonstrações contábeis dos clubes de futebol do campeonato catarinense de 2012: verificação da adequação à legislação vigente. REAVI-Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, 3(4), 12-24. DOI: 10.5965/2316419003042014012.

Gomes, G. L., & Leal, R. P. C. (2000). Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores. In: Leal, R. P. C., Costa Jr., Newton C. A., Lemgruber, E. F. Finanças Corporativas. São Paulo: Atlas, p. 42-57.

Greene, W. H. (2012). Econometric Analysis. 7. ed. New Jersey: Prentice Hall.

Gujarati, D. N. (2006). Econometria Básica. Tradução Maria José Cyhlar Monteiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Guzmán, I., & Morrow, S. (2007). Measuring efficiency and productivity in professional football teams: evidence from the English Premier League. Central European Journal of Operations Research, 15(4), 309-328. DOI: 10.1007/s10100-007-0034-y.

Harris, M., & Raviv, A. (1991). The theory of capital structure. The Journal of Finance, 46(1), 297-355. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1991.tb03753.x.

Holanda, A. P., Meneses, A. F. D., Mapurunga, P. V. R., De Luca, M. M. M., & Coelho, A. C. D. (2012). Determinantes do nível de disclosure em clubes brasileiros de futebol. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(1), 2-17.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360. DOI :10.1016/0304-405X(76)90026-X.

Kaveski, I. D. S., Degenhart, L., Vogt, M., & Silva, T. P. (2015). Determinantes de la estructura de capital de las empresas brasileñas de tecnología de la información. Revista CTS, v.10, n.29, p. 235-262.

Kayo, E. K., Teh, C. C., & Basso, L. F. C. (2006). Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração, 41(2), 158-168. DOI: 10.1590/S0080-21072006000200004.

Kayo, E. K., & Kimura, H. (2011). Hierarchical determinants of capital structure. Journal of Banking & Finance, 35(2), 358-371. DOI:10.1016/j.jbankfin.2010.08.015.

Kennedy, P. (1998). A guide to econometrics. 4. ed. Oxford:

Blackwell.

Kim, D. Y., & Kim, J. Y. (2013). Effects of corporate social responsibility and corporate governance on determining audit fees. International Journal of Multimedia and Ubiquitous Engineering, 8(2), 189-196.

Maroco, J. (2007). Análise estatística com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Edições Sílabo.

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, 44(2), 118-130.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise financeira de balanços: abordagem gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review, 48(3), 261-297.

Mota, A. F., Brandão, I. de F., & Ponte, V. M. R. (2016). Disclosure e materialidade: evidências nos ativos intangíveis dos clubes brasileiros de futebol. RACE-Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(1), 175-200. DOI: 10.18593/race.v15i1.6326.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. The Journal of Finance, 39(3), 574-592. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1984.tb03646.x.

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187-221. DOI: 10.1016/0304-405X(84)90023-0.

Myers, S. C., Rajan, R. G. (1998). The Paradox of Liquidity. Quarterly Journal of Economics, 113(3),733-771. DOI:10.1162/003355398555739.

Nakamura, W. T., Martin, D. M. L., Forte, D. Carvalho Filho, A. F. de, Costa, A. C. F. da, & Amaral, A. C. do. (2007). Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro: análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003, Revista Contabilidade & Finanças, 18(44), 72-85. DOI: 10.1590/S1519-70772007000200007.

O’Brien, J. P. (2003). The capital structure implications of pursuing a strategy of innovation. Strategic Management Journal, 24(5), 415-431. DOI: 10.1002/smj.308.

Perobelli, F. F., & Famá, R. (2002). Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 37(3), 33-46.

Pohlmann, M. C., & De Iudícibus, S. (2010). Relação entre a tributação do lucro e a estrutura de capital das grandes empresas no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-25. DOI:10.1590/S1519-70772010000200002.

Rajan, R. G., & Zingales, L. (1995). What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1995.tb05184.x.

Reis, R. T., & Neto, V. G. (2015). Análise das mudanças dos fatores determinantes da estrutura de capital em função do ciclo de vida de empresas brasileiras no período de 2008 a 2013. Revista de Tecnologia Aplicada, 3(1), 42-53.

Rezende, A. J., Dalmácio, F. Z., & Salgado, A. L. (2010). Nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(2), 36-50.

Rezende, A. J., & Dalmácio, F. Z. (2015). Práticas de Governança Corporativa e Indicadores de Performance dos Clubes de Futebol: uma Análise das Relações Estruturais. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 105-125.

Silva, J. D., & Carvalho, F. A. A. (2009). Evidenciação e desempenho em organizações desportivas: um estudo empírico sobre clubes de futebol. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), 96-116.

Silva, C. V. D. G. F., & Campos Filho, L. A. N. (2006). Gestão de clubes de futebol brasileiros: fontes alternativas de receita. Sistemas & Gestão, 1(3), 195-209.

Silva, A. N. V. (2009). A gestão dos centros de treino dos clubes de futebol. Porto, 2009.162 f. Tese (Mestrado) Curso de Mestrado em Gestão Esportiva – Universidade do Porto, Porto.

Silva, C. A. T., Teixeira, H. M., & Niyama, J. K. (2009). Evidenciação contábil em entidades desportivas: uma análise dos clubes de futebol brasileiros. In Congresso USP de Controladoria e Contabilidade (Vol. 9).

Tabachnick, B., & Fidell, L. S. (1996). Using multivariate statistics. 3. ed. New York: Harper Collins.

Tedeschi, P. (1997). Estrutura de Capital: Uma Investigação sobre seus Determinantes no Brasil. São Paulo, 1997. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas.

Titman, S., & Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. The Journal of Finance, 43(1), 1-19. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1988.tb02585.x.

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/166

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.