Fernanda Guerra e a Institucionalização do Surfe Carioca na Década de 1960

Por: Ana Carolina Costa Cruz.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.2 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Este artigo analisa os primeiros momentos de institucionalização do surfe feminino, compreendendo os processos históricos relativos à participação de Fernanda Guerra nessa prática cultural corporal, protagonista desse momento. O surfe de maneira institucionalizada no Rio de Janeiro deu seus primeiros passos na década de 1960, justamente quando as mulheres se inserem na modalidade. Qual é a participação dessa agente social neste contexto? A metodologia utilizada foi a história oral, ou seja, trata-se de um método que não só suscita a emergência de novos objetos e nova documentação, como também estabelece uma relação original entre o historiador e os sujeitos da história, uma construção histórica participativa. Enfim, investigando a vida dessa competidora das primeiras competições de surfe no Rio de Janeiro, constatamos que enquanto a prática se reduzia a um grupo restrito, filhos de estrangeiros que moravam em Ipanema, as mulheres praticavam e tinham representação na Federação, embora essa participação tenha se resumido a festas e homenagens.

REFERÊNCIAS

Alberti,V. (2005). Manual de história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Alberti, V. (2004). Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Andrade, A.M.R.; Cardoso, J.L.R. (2001). Aconteceu virou Manchete. Revista Brasileira de História, 21 (41), 243-264.

Árias, M. (2001). Surf gênese. Santos: Unimonte.

Booth, D. (2001). Australian Beach Cultures: The History of Sun, Sand and Surf. London: Ed. Frank Cass.

Bourdieu, P. (1983). Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Ed. Marco Zero.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil.

Cardoso, I. (2005). A geração dos anos 1960: o peso de uma herança. Tempo Social, 17, (2), 93-107.

Castro, R. (1999). Ela é carioca: uma enciclopédia de Ipanema. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

Devide, F.P. (2004). A natação como elemento da cultura física feminina no início do século XX: construindo corpos saudáveis, belos e graciosos. Movimento,10 (2), 125-144.

Dias, C.A.G. (2008). Urbanidades da natureza: o montanhismo, o surfe e as novas configurações do esporte no RJ. Rio de Janeiro: Apicuri.

Dias, C.A.G. (2009). Novas conformações do campo esportivo: os esportes na natureza. In: M. Del Priore & V.A. Melo (Orgs). História do Esporte no Brasil: do Império aos dias atuais (PP 359-386). São Paulo: Ed. UNESP.

Dias, C.A.G. (2010). Novos dias de verão sem fim: surfe, mulheres e outros modos de representação. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, 32 (2-4), 75-88.

Featherstone, M. (1999). The body in consumer culture. In: M. Featherstone, M. Hepwhorth & B. Turner. (Eds). The body: social process and cultural theory. Londres: Ed. Sage.

François, E. (2005). A fecundidade da história oral. In: M. M. Ferreira & J. Amado. Usos e Abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Goellner, S.V. (2007). História das mulheres no esporte: o gênero como categoria analítica. Anais do XV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte [e] II Congresso Internacional de Ciências do Esporte, Recife, Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 1, 1-10.

Goellner, S.V. (2009). Imagens da mulher no esporte. In: M. Del Priore & V.A. Melo, (Orgs). História do Esporte no Brasil: do Império aos dias atuais. São Paulo: Editora UNESP.

Goellner, S.V. (2010). Prefácio 2010. In: J.D. Knijnik (Org). Gênero e esporte: masculinidades & feminilidades. Rio de Janeiro: Apicuri.

Gutenberg, A. (1989). A história do surf no Brasil: 50 anos de aventura. São Paulo: Azul.

Knijnik, J. D. (2010). Gênero e esporte: masculinidades & feminilidades. Rio de Janeiro: Apicuri.

Knijnik, J. D. & Cruz, L. O. (2004). Mulheres ao mar: surfe e identidades femininas em transição. In: A.C. Simões, J.D. Knijnik (Orgs). O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho. São Paulo: Aleph.

Lorch, Carlos. (1980). Surf: deslizando sobre as ondas. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.

Louro, G. L. (2003). Corpos que escapam. Labrys Estudos Feministas, 4.

Lozano, J.E.A. (2005). Prática e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: M.M. Ferreira & J. Amado. Usos e Abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Melo, V.A. (2007). Mulheres em Movimento: a presença feminina nos primórdios do esporte na cidade do Rio de Janeiro (século XIX-primeira década do século XX). Revista Brasileira de História, 27 (54), 127-152.

Melo, V.A. (2010). Esporte e Lazer: conceitos. Rio de Janeiro: Apicuri.

Mourão, L. (1999). Representação Social da relação do trabalho feminino da diarista com as opções de lazer na comunidade de Queimados. Motus Corporis, 6 (2), 52-74.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2 (3), 3-15. Ribeiro, A.G. (2003). Uma História Social do Surfe. Monografia de Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Schmidt, B.B. (1997). Construindo Biografias…Historiadores e Jornalistas: aproximações e afastamentos. Estudos Históricos, 10 (19), 3-21.

Endereço: http://cma.cev.org.br/tags/show/14772/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.