Financiamento Estatais e Resultados Esportivos: o Caso do Atletismo no Brasil

Por: , Camile Luciane da Silva, Fernando Renato Cavichiolli, Isabele Plociniak Costa e Rafael Gomes Sentone.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.6 - n.3 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O esporte está representado ao longo da história como sombra do desenvolvimento social do ser humano numa relação muito íntima entre política e seu processo de desportivização. Se hoje o Brasil se apresenta como país emergente no mundo também o faz no esporte, observado em atletas de destaque em modalidades de natação, atletismo, judô e outras. Partindo desta questão central o presente estudo objetiva buscar relações entre Esporte de Alto Rendimento (EAR) no Brasil relacionando com resultados esportivos e investimento aos atletas através de políticas públicas do Governo Federal como o Bolsa Atleta. Utilizou-se a prova de 100m rasos para entender o processo pelo qual os atletas passaram no ranking da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) até galgarem a posição de destaque nacional que ocupam. Os 1181 dados coletados no período de 16 anos revelaram que a maioria dos atletas obtiveram seus melhores índices da carreira no ranking da CBAt também quando foram contemplados com o subsídio do Bolsa Atleta.

Referências

Nunes, CC, Cunha GSVT. Estado e as políticas públicas esportivas:o contexto brasileiro. Revista da Alesde. 2014 set; 4(2): 4-15.

Corrêa, JA. et al. Financiamento do esporte olímpico de verão brasileiro: mapeamento inicial do programa “Bolsa-Atleta” (2005-2011). Pensar a Prática. 2014 out./dez; 17(4).

Figuerôa, KM, Mazzadri FM, Silva MM. RIO 2016: possibilidades e desafios para o esporte brasileiro. Motrivivência. 2013 dez.; 25(41): 140-154.

Bohme MTS. O Treinamento a longo prazo e o processo de detecção, seleção e promoção de talentos esportivos. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2000. 21(2).

Mazo JZ, Silva CF, Lyra VB. As mulheres no cenário do associativismo esportivo em Porto Alegre/RS na transição do século XIX para o XX: alternativas de sociabilidade e lazer para elas. Licere set.; 13(3).

Cafruni C, Marques A, Gaya A. Análise da carreira desportiva de atletas das regiões sul e sudeste do Brasil. Estudo dos resultados desportivos nas etapas de formação. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2006 jan.; 6(1): 55-64.

De Bosscher V, De Knop P, Van Bottenbrug S, Bingham J. Explaining international sporting success: an international comparison of elite sport systems and policies in six countries. Sport Management Review. 2009: 12: 113-36.

Green, M, Oakley B. Elite sport development sys- tems and playing to win: Uniformity and diversity in inter- national approaches. Leisure Studies. 2001; 20(4): 247–267.

Houlian B, Green M. Comparative elite Sport development: systems, structures and public policy. Elsevier. 2008.

Souza DL, PAappous S. Legados esportivos de megaeventos esportivos: uma revisão de literatura. Motrivivência. 2013 dez.; 25(41): 42-56.

Mohammadi S, Keyvan AD. The necessity of considering the challenges facing Olympic Movement. DOI: 10.4100/jhse.2011.61.01. Journal of Human Sport & Exercise. 2011; 6.

Corral DC et. al. Principles of the Olympic Movement. Journal of Human Sport & Exercise. 2010; 5(1): 3-14, 2010. DOI: 10.4100/jhse.2010.51.02

Gomes AC. Treinamento desportivo: estruturação e periodização. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

Brasil. Confederação Brasileira de Atletismo. Norma 12 Categorias oficiais do atletismo brasileiro por faixa etária. Disponível em: . Acesso em: 16 de mar. 2015.

Brasil. Confederação Brasileira de Atletismo. Rankings. Disponível em: . Acesso em: 16 de mar. 2015.

Coakley J, Souza DL. Sport mega-events: can legacies and development be equitable and sustainable? Revista Motriz. 2013 jul./sep; 19(3).

Palangana IC. Desenvolvimento e aprendizagem em Piaget e Vygotsky. São Paulo: Summus Editorial, 2001.

Bourdieu P. Deporte y clase social. In: BROHM, Jean Marie et al. Materiales de sociología del deporte. Madri: Edicione de la Piqueta. 1993.

Mascarenhas F. Megaeventos Esportivos e Educação Física: alerta de tsunami. Movimento. 2012 jan./mar; 18(1).

Perez VR, Minguet JLC, Freire MG. Sports Management services: the dimensions of quality. Journal of Human Sport and Exercise. 2010; 5(2): 295-306.

Bourdieu P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1983.

Vidal AM et al. Sociological context in Spanish high level athletics by gender. Journal of Human Sport and Exercise. 2010; 5(1): 24-33.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/3003

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.