Força Crítica, Análise de Parâmetros Aeróbios e Anaeróbios em Exercício Resistido - Supino Reto

Por: Claudio Luiz de Souza Meireles.

2010 03/09/2010

Send to Kindle


Resumo

O modelo de avaliação da potência crítica – Pcrit (Monod e Scherrer, 1965) é uma construção teórica, derivada da aplicação de uma série de testes, com cargas constantes até exaustão ou tempos limites (tlim). Muitos estudos têm examinado a aplicação e limitações metodológicas decorrentes da Pcrit em diferentes modalidades de exercícios cíclicos, mas poucos têm analisado as suas respostas aplicadas ao modelo de exercício resistido com peso (ERP). O objetivo geral deste estudo foi verificar a validade do modelo da Pcrit, como método de determinação da máxima fase estável de lactato (MFEL), aplicado ao ERP, no supino reto (SR) e verificar associações entre a capacidade de impulso anaeróbio (CIA), com a carga máxima (Cmax), média (Cmed) e índice de fadiga (IF) obtidos em testes anaeróbios de Wingate adaptado (WgtAd) no SR. Participaram da pesquisa 15 homens, fisicamente ativos em ERP, habituados com exercícios de intensidades elevadas [média (±) dp, idade de 21,33 ± 2,85 anos; massa corporal total de 78,48 ± 13,53 kg; estatura de 178,21 ± 7,44 cm e IMC de 24,63 ± 3,42 kg/m2]. Foram aplicados teste e re-teste de 1-RM, para determinação da carga máxima dinâmica em diferentes pegadas (padrão - PGP, aberta - PGA e fechada - PGF). Determinouse em PGP as cargas relativas a 30%, 40%, 50% e 60% para verificação dos tlim, os quais foram ajustados com procedimentos de regressão linear e não linear, determinando a força crítica (Fcrit) e a capacidade de impulso anaeróbio (CIA).

Endereço: http://www.athena.biblioteca.unesp.br/F/SH8FREPBJRT3IF877TEE99QCINJ6T1S9G7AF6AQTJQV7SSUKEF-41574?func=full-set-set&set_number=013043&set_entry=000095&format=999

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.