Força Muscular e índice de Fadiga dos Extensores e Flexores do Joelho de Jogadores Profissionais de Futebol de Acordo com o Posicionamento em Campo

Por: Diego Xavier Leite, João Marcos Domingues Dias, Sérgio Teixeira da Fonseca, Thiago Ribeiro Teles dos Santos, Vanessa Lara Araújo e Viviane Otoni do Carmo Carvalhais.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.19 - n.6 - 2013

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO: Assimetrias na capacidade de produção de força entre músculos dos membros inferiores e fadiga muscular podem favorecer a ocorrência de lesões em atletas de futebol. Considerando-se que existem diferenças individuais determinadas pelas diversas funções exercidas pelos jogadores, é possível que a presença de assimetrias de força e fadiga muscular esteja relacionada ao posicionamento em campo. 
OBJETIVOS: 1) Investigar diferenças na assimetria de pico de torque (PT), na assimetria de trabalho (T) e no índice de fadiga (IF) dos extensores e flexores do joelho de atletas profissionais de futebol de acordo com a posição em campo; e 2) Determinar se o IF dos flexores é superior ao dos extensores. 
MÉTODOS: Foram analisadas avaliações isocinéticas de 164 atletas profissionais de futebol (atacantes, zagueiros, laterais, meio-campistas e goleiros). O protocolo para avaliação da força concêntrica dos extensores e flexores do joelho consistiu em cinco repetições a 60°/s e 30 repetições a 300°/s. O teste de Kruskall-Wallis foi utilizado para verificar diferenças na assimetria de PT, assimetria de T e IF dos extensores e flexores do joelho entre jogadores de diferentes posicionamentos. O teste de Wilcoxon foi realizado para verificar se havia diferença entre o IF dos extensores e flexores. 
RESULTADOS: Não houve diferença entre os jogadores dos cinco posicionamentos para as assimetrias de PT e T, bem como para o IF dos extensores e flexores (p > 0,05). O IF flexor foi superior ao extensor em ambos os membros inferiores (p < 0,01). 
CONCLUSÃO: Variáveis isocinéticas comumente associadas a lesões não foram diferentes entre jogadores de diferentes posicionamentos. Os atletas apresentaram o IF flexor superior ao extensor, o que pode estar relacionado à maior frequência de estiramentos dos isquiossurais em comparação ao quadríceps.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922013000600015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.