Formação Colaborativa na Educação Física Como Espaço Interativo de (re)construção de Saberes e Práticas Pedagógicas

Por: F. B. Bastos e J. Henrique.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

A formação continuada deve contribuir para a melhoria das condições de trabalho dos professores e seu aprimoramento profissional consoante os avanços e inovações em suas áreas. Apesar dos esforços empenhados, as ações no âmbito federal sofrem por conta da fragmentação e desarticulação das ações de formação organizadas por Estados e Municípios, restringindo suas ações à utilização de instrumentos de gestão de processos, prazos e metas desgarradas das necessidades do chão da escola. Diversos estudos identificam que as ações de formação continuada ainda são realizadas mediante modalidades clássicas e tradicionais. A introdução de modelos inovadores esbarra na ausência de políticas formativas sistemáticas, intencionais, articuladas e contínuas. A formação continuada deve permitir experiências prazerosas e que permita desvendar novas formas de ser, pensar e sentir. O objetivo desta pesquisa foi analisar o desenvolvimento de um projeto de formação colaborativa de professores de educação física, visando descrever a constituição coletiva do processo, os efeitos percebidos pelos professores para a sua formação pessoal, bem como os impactos metodológicos no ensino. A pesquisa se caracteriza como descritiva, a partir de um modelo de pesquisaação em contexto colaborativo. A formação colaborativa foi frequentada em média por 35 professores de educação física da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. O processo de formação abrangeu a seleção de tema em que os professores identificaram maior necessidade (tecnologias nas aulas de educação física) e foi realizado em encontros mensais, durante oito meses. Os professores foram envolvidos em leituras de textos científicos, discussões e planejamento coletivo, apresentação de projetos de intervenção pedagógica e relato das experiências concretizadas na escola. Os dados foram interpretados por meio de observação e registros de campo das reuniões de formação e análise de conteúdo de entrevistas realizadas com os professores ao final da formação. A formação colaborativa configurou possibilidades e potencial baseados na animação de atitudes interacionistas e dialógicas entre os professores; na articulação de conhecimentos teóricos e práticos afirmante da intencionalidade do ato educativo; no protagonismo de (re)criação e/ou (re)construção de saberes e práticas pedagógicas; e em uma prática de ensino que teve o aluno como foco central no ensino-aprendizagem. As manifestações observadas em distintos grupos de professores durante o processo interativo, mesmo que não comuns a todos, refletiram perspectivas de realização congnoscitiva e interventiva no processo colaborativo. A perspectiva de formação colaborativa incita o debate sobre a necessidade de escutar as necessidades cotidianas do professor, de permitir a livre expressão sobre seus conhecimentos, medos, angústias, proporcionando novas aprendizagens através de momentos de reflexão e de trocas colaborativas e emancipadas. 

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.