Fronteiras de Gênero em Foco ? as Memórias de Mulheres Atletas de Futebol Sobre a Prática Desse Esporte na Infância

Por: e .

XIV Congresso de História do Esporte, do Lazer e da Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

Sabe-se que histórica e culturalmente são estabelecidos papéis que devem ser ocupados e comportamentos que devem ser seguidos por homens e por mulheres no convívio social. Os enquadramentos aos papéis delimitados tendem a ser ensinados e encorajados desde a infância, existindo atividades adequadas para cada sexo (LOURO, 1997; LE BRETON, 2006). No Brasil, por exemplo, o futebol acabou por se constituir como um esporte amplamente caracterizado como masculino e a mulher, consequentemente, esteve afastada da prática regulamentada da modalidade por um longo período de tempo, sendo que seu caminho em tal esporte se caracterizou como irregular e repleto de interdições, regulamentações e proibições (GOELLNER, 2005). Muito em decorrência disso, o futebol também foi historicamente pouco praticado pelas meninas em escolas e espaços de lazer na infância, fazendo com que se perpetuassem as diferenças no número de praticantes e nas oportunidades entre os dois sexos. Tais espaços – escola e de lazer – se constituíram como de manifestação de domínio masculino (SOUZA JÚNIOR; DARIDO, 2002). Apesar disso, sempre existiram meninas que romperam com as fronteiras de gênero, termo que se refere às construções sociais estabelecidas sobre os sexos (SCOTT, 1995), e passaram a interagir com o sexo masculino na prática do futebol.

Endereço: http://cev.org.br/biblioteca/anais-do-xiv-chelef

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.