Fundamentação da Sindrome Geral da Adaptação

Por: Lucas Claro, Mariana Dias, Pamela Seminotti e Thiago Pimenta.

XV Congresso de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

No período do Século XVIII, destaca-se a ocorrência da Revolução Industrial, que se caracterizou pelo deslocamento dos indivíduos do meio rural para o urbano, esses indivíduos começaram a trabalhar nas fábricas, resultando em mudanças significativas para a vida da sociedade. Esse cenário resultou em miséria e sobrecarrego de trabalho, que passou a iniciar discussões sobre a saúde e fatores relacionados ao estresse. Com base nisso, a necessidade de equilíbrio foi dada pelo fisiologista francês, Claude Bernard, que sugeriu a busca da harmonia ou estado de equilíbrio (CHROUSOS, & GOLD, 1992). Com o objetivo de evidenciar pesquisas descritivas realizadas entre estudiosos sobre o assunto, buscamos levantamento de dados no SciELO, biblioteca eletrônica e Portal de Periódicos da CAPES, com as seguintes palavras-chaves: estresse, síndrome da adaptação geral, Hans Selye e Periodização, em cada uma das bases. Após aplicação dos critérios de exclusão/inclusão, selecionamos 15 produções científicas. No século XX, o conceito de C. Bernard é utilizado para formação da homeostase (MATOS SANTOS, 1998). Mais tarde, Walter Cannon (1929) introduziu o termo homeostasia e alargou o conceito homeostático aos parâmetros emocionais e físicos. Cannon descreveu ainda as reações de ataque ou fuga e fez a ligação entre as respostas adaptativas ao stress, com a secreção de catecolaminas. Hans Selye, como estudante de medicina, percebeu que os pacientes que procuravam as clínicas, apresentavam sinais e sintomas comuns: perda de peso, perda do apetite e diminuição da força muscular, ao que denominou “Síndrome do estar doente”. Ao submeter animais a situações agressivas diversas, Selye observou que os organismos respondiam sempre de forma regular e específica, ou seja, com dilatação do córtex da glândula suprarrenal, atrofia timo linfática e úlceras intestinais. Com o transcorrer das experiências, verificou-se que, independente do agente físico (frio, calor, infecção, trauma, hemorragia), as mesmas respostas eram constatadas. Assim, ele relacionou esses achados ao conceito de estresse, definindo-o como uma reação defensiva fisiológica do organismo em resposta a qualquer estímulo e, em 1936, denominou-a Síndrome Adaptação Geral (SAG) ou do Estresse biológico (MENZANI, 2006). Na década de 1950, com base na teoria SAG, foi fundamentado o modelo clássico de treinamento, sobre isso Matveev, considerado o pai da periodização moderna do treinamento desportivo, fundamentou suas explicações na teoria da síndrome geral da adaptação (SELYE), lei que se tornou uma norma na busca da forma desportiva por meio do treinamento. Ocorreu uma necessidade para o desenvolvimento da fisiologia, pois a mudança no estilo de vida da sociedade estimulou isso. Hans Selye partiu de experiências para formar uma ideia e fundamentar cada estágio da (SGA) e dessa teoria sai o princípio que formou o modelo clássico do treinamento de Matveev.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.