Futebol de Mulheres em Tempos de Proibição: o Caso das Partidas Vespasiano X Oficina (1968)

Por: .

Mosaico - v.9 - n.14 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O presente artigo investiga a promoção de uma série de jogos entre duas quipes femininas, Vespasiano e Oficina. As partidas se realizaram na pequena cidade de Vespasiano, vizinha à capital mineira Belo Horizonte, no ano de 1968. Ocorridas em um momento de aprofundamento da proibição da prática do futebol por mulheres no Brasil, que fora vedado expressamente pelo Conselho Nacional de Desportos em 1965, essas disputas articulam-se à mobilização comunitária em favor de uma escola local, bem como à cultura esportiva do lugar. Trata-se de episódio pouco conhecido que ajuda a compreender as formas de organização dessa modalidade, os mecanismos de perseguição a ela e os apagamentos acerca da memória sobre o desempenho dessa atividade atlética por garotas.

Referências

CARVALHO, Rosana Areal de e BERNARDO, Fabiana de Oliveira. “Caixa escolar: instituto inestimável para a execução do projeto de educação primária”. Educação em foco, v. 16, n. 3, Juiz de Fora, setembro de 2011/ fevereiro de 2012, p. 141-158.

COSTA, Leda Maria da. “O Futebol feminino nas décadas de 1940 a 1980”. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n. 13, Rio de Janeiro, 2017, p. 493-507.

DUBY, Georges. O domingo de Bouvines: 27 de julho de 1214. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FRANZINI, Fábio. “Futebol é ‘coisa para macho’? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol”. Revista Brasileira de História, v. 25, n. 50, São Paulo, 2005, p. 315-328.

GALUPPO, Ricardo. Raça e amor: a saga do Clube Atlético Mineiro vista da arquibancada. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

GOELLNER, Silvana Vilodre. “Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades”. Revista brasileira de Educação Física e Esporte, v.19, n. 2, São Paulo, jun. 2005, p.143-151.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. O clube como vontade e representação: o jornalismo esportivo e a formação das torcidas organizadas de futebol do Rio de Janeiro (1967- 1988). 2008. 771 f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio e Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

LINHALES, Meily Assbú. A trajetória política do esporte no Brasil: interesses envolvidos, setores excluídos. 1996. 242 f. Dissertação (mestrado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996.

MOURÃO, Ludmila; MOREL, Márcia. “As narrativas sobre o futebol feminino: o discurso da mídia impressa em campo”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 26, n. 2, Campinas, SP, jan. 2005, p. 73-86.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro, 1902-1938. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

RIAL, Carmen. “El invisible (y victorioso) fútbol practicado por mujeres en Brasil”. Nueva Sociedad, n.248, nov/diec. 2013, Buenos Aires, p. 114-126.

RIGO, Luiz Carlos; GUIDOTTI, Flávia Garcia; THEIL, Larissa Zanetti e AMARAL, Marcela. “Notas sobre o futebol feminino pelotense em 1950: um estudo genealógico”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 29, n. 3, Campinas, maio de 2008, p. 173-188.

RODRIGUES FILHO, Mario. O negro no futebol brasileiro. 4.ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

SILVA, Diana Mendes Machado da. Futebol de várzea em São Paulo: a Associação Atlética Anhanguera (1928-1940). São Paulo: Alameda, 2016.

SILVA, Giovana Capucim e. Narrativas sobre o futebol feminino na imprensa paulista: entre a proibição e a regulamentação (1965-1983). 2015. 136 f. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

Endereço: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/mosaico/article/view/73995

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.