Futebol em Tradução: Narrativas Impressas Como Tradução do Acontecimento Futebolístico e Imaginação do Estilo em Comunidades Locais e Nacionais

Por: Christian Luiz Melim Schwartz.

180 páginas. 2014 31/10/2014

Send to Kindle


Resumo

Esta tese investiga o estilo no futebol como fenômeno de significação, argumentando que o comentário ao jogo funciona como tradução do que se vê em campo. Entendemos que os estilos, em geral associados a nações, só existem pelo olhar subjetivo coletivo dos observadores (comentaristas e aficionados, mas também, por reverberação, da parcela não torcedora de uma comunidade), os quais traduzem o estilo a cada partida, a cada acontecimento futebolístico na história. Essas práticas discursivas, por sua vez, se concretizam no que chamamos narrativas do estilo produto da tradução do que Dominique Maingueneau classifica como o discurso primeiro do futebol no discurso segundo dos observadores, acumulado sistematicamente na língua literária que, segundo Benedict Anderson, reúne comunidades imaginadas nacionais em torno de jornais (mas este trabalho considera a hipótese de que outras mídias também sirvam como esse ponto de encontro) e romances, ou seja, no chão comum das narrativas impressas. Dois estudos de caso ilustram nossa argumentação teórica, ambos baseados na análise de textos de jornais: a partir de relatos sobre turnês de clubes britânicos a Buenos Aires nos anos 1920, investigamos a construção do que Richard Giulianotti conceitua como uma oposição sintática entre as comunidades nacionais de Inglaterra e Argentina; num segundo momento, buscamos as variações semânticas, ainda nos termos de Giulianotti, envolvendo comunidades locais/regionais em sua relação com a nação em foco, o Arsenal de Londres e, novamente, a comunidade imaginada inglesa. O futebol, concluímos, só ganha sentido pleno numa sequência narrativa midiática e enraizada historicamente. As narrativas do estilo constroem um enredo comum espécie de folhetim permanente e amálgama das identidades comunitárias. Por essa tendência à folhetinização, tanto na forma (simbiose com o veículo, a mídia) quanto no conteúdo (o acontecimento como matéria-prima fundamental), o futebol, sugerimos por fim, está para a cultura dos modernos esportes de competição como o romance também derivado do folhetim para a cultura literária, ambos como linguagens traduzíveis em narrativas e estilos

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-20012015-123251/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.