Futebol, Memória e Identidade Nacional nas Copas do Mundo de 1958, 1962, 1966 e 2002

Por: Felipe Di Blasi.

2005 08/04/2005

Send to Kindle


Resumo

O esporte é compreendido como um dos instrumentos de transmissão de valores, devido aos ideais pacificadores que foram implantados desde o início das práticas esportivas1. No caso brasileiro, destacamos o futebol como nossa prática esportiva nacional, nosso símbolo capitalizado internamente e lançado no mercado internacional das identidades. Com esta capitalização do futebol estamos afirmando, para nós mesmos e para outras culturas e nacionalidades, a parcela de nossa identidade que emergiu desta cultura esportiva, respaldada ao longo de décadas de prática e afirmação no cenário mundial, pelo capital simbólico2 adquirido para tal projeção e reconhecimento. É necessário realizar uma historiografia de como a imprensa trata a relação futebol–identidade em diferentes momentos, a fim de que possamos dispor de parâmetros para entender o processo de transformação da relação entre futebol e identidade nos dias de hoje. Neste sentido, este estudo tem como objetivo analisar parte do processo da afirmação de sentimentos identitários construídos a partir do futebol em relação à nação brasileira. 

Endereço: https://www.dropbox.com/s/8n5m4cedbivdz42/UGF.00289.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.