Futebol - Outras Cidades - Cantanhede

Por: .

Atlas do Esporte do Maranhão.

Send to Kindle


CANTANHEDE

 

Década de 1950 - a cidade foi palco de grandes jogadas de futebol, com muitos nomes destacando-se como craques; existiu um negro (sobrinho de Vovó Josina) de nome Hermano que jogava de lateral-direito, e era observado com admiração por toda a torcida, pois jogava descalço; nas tarde de jogo, João Capa-Bobe ia com a orquestra para a beira do campo e a fogueteira explodia! - Benedito Buzar, jornalista político, no prefácio do livro de Abraão Teixeira (fonte) lembra que ainda estudante secundarista, aproveitava as férias de julho, para com outros colegas e contemporâneos de Itapecurú organizar um time de futebol para jogar contra a seleção cantanhedense. - existiam duas equipes de futebol: o Onze Amigos e o Bagaço; Zuilio, Chico Preto, Lúcio, Vadico, Pedro Lopes, Manduca, Martinho Lopes, Baixinho, Bernardo Caldas, Hermano, José Rego, Andreíno, Luiz Souza, Padeirinho, Paraguaçu, Dico Nere, Manoel Guarda-Fio, Quinzinho, Raul, Alexandre Lopes, João Baima, etc.

Década de 1970 – O prefeito Cidinho, como todo bom desportista, resolveu incentivar o futebol infantil, criando os times “Azul” e “Cor-de-Rosa”; com o passar do tempo, os times atraiam a atenção da sociedade cantanhedense a se fazia presente no estádio da matriz, ao lado da igreja, onde hoje se localiza o atual ginásio. Resolvendo ir mais longe, o prefeito criou um campeonato; a equipe Azul passou a se chamar Flamengo, e a Cor-de-Rosa, Fluminense; foram criados mais três times, Botafogo, Vasco e Corinthians. O Flamengo tinha o melhor ataque: Bidico, Cheiroso e Ricardinho; o Fluminense contava com uma excelente defesa, pois contava com Burrinha (goleiro) e José Martins,Doge e José Ribamar Canela na defesa. O Fluminense atacava forte, com Negão e Diquinho, que eram interceptados pelos flamenguistas Fio e Bodão e o goleiro Gamar. - a Rádio Transpovo – Trans-power – criada pelo sr. Cidinho, com equipamentos de pequeno porte, funcionando a pilha; a frequencia alcançava uns dois quilômetros de extensão. Como a cidade tinha o futebol como principal atração, nos dias de jogos era montado na torre da igreja os estúdios de transmissão, visto que naquela época o campo de futebol era onde hoje é a praça Paulo Rodrigues; João Capistrano Filho era o locutor e tinha audiência total nos quatro cantos da cidade.

- Futebol de Quintal - - o futebol era a maior diversão de Cantanhede, mas o futebol jogado no fundo de quintal, como o de Tó, onde a movimentação começava lá pela uma da tarde, onde se iniciava a brincadeira dos meninos; mais tarde, por volta das duas horas,iniciva-se o jogo dos adultos. Faziam-se presentes as famílias Aguiar e Patico (Tó, Cassiano, Ambrósio, Valdemiro, Genivaldo, Josiel Franco, Agnaldo, Abraão (Abraão Teixeira, de que tomamos os dados, nasceu em 1965...), Gerson, Nonato, Tista, etc,). Por volta das três da tarde, a maioria tomava e retornava ao seu trabalho. Existiam outros quintais, onde os outros jovens costumavam brincar, como o da Prefeitura – Chico do Carlos Sousa, Cheiroso, Dimas, Marconi, Carlito Amaral, Louro e outros; no quintal do Maneco aconteceu uma época de bom futebol onde Edivaldo, Gessy, Tinha, Santos, Itamar, Francisco, Caio, etc., e enquanto uns jogavam outros aguardavam o desafiado comendo manga, jaca, e outras frutas.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.