Futebol e Tecnologia, o Esporte Como Ele é.

Por: Daniel Gomes.

O Eatdo de Minas - n.19322 - 1992

Send to Kindle


O "Esporte como ele é " & "Futebol e Tecnologia", Daniel Gomes

"O futebol brasileiro, abstraindo os países nos quais esse esporte é incipiente, é hoje um dos mais atrasados do mundo. Perdemos a Copa (...) por causa desse atraso galopante. Ao contrário do slogan político, regredimos cinqüenta anos em cinco. Que houve? Que se passou? Como foi que bateram a nossa carteira de campeões sem que percebêssemos?"

"Nossa hematita compacta continua sendo o melhor minério de ferro do mundo; mas a nossa siderurgia continua pra trás. A matéria-prima do futebol, igualmente, ainda é de excelente qualidade, mas infra-estrutura e a superestrutura vão piorando à medida em que os outros países aperfeiçoam um jogo que nós patetamente insistimos em considerar essencialmente improvisado. Pois a verdade elementar é esta: não pioramos propriamente, os outros é que melhoraram muito; ficamos para trás porque não soubemos acompanhar o ritmo do progresso dos outros. Ora, enquanto as virtudes instintivas dos nossos jogadoras derem para ir suprindo as nossas falhas de administração, iremos manerando; quando a organização dos outros chegar ao optimum da tecnologia, então entraremos definitivamente pelo cano."

"Por motivo de uma reação primária de subdesenvolvidos, temos horror à tecnologia. A quase nada aplicamos uma técnica, damos um jeito. Temos orgulho dessas espertezas de pobre; gostamos de zombar do cartesianismo francês, do método germânico, das filigranas mecânicas do japonês; achamos o americano, com sua mania de especialização, uma besta quadrada".

"Isso, em todos os planos das atividades velhas e modernas, da eletrônica à plantação de batatas. Mas reservamos a lava mais rubra de nossa ira para os traidores da pátria que ousam reclamar tecnologia para o nosso futebol. Futebol se joga é no campo. A gente vai lá e engole eles. Não temos nada que aprender do estrangeiro..."

"A partir dessas premissas improváveis estamos cavando o buraco. E quando o nosso selecionado não consegue vencer um time mundial arrumado na véspera (um time no qual o goleiro nem pode dizer ’deixa’ para o zagueiro, pois um embarcou em Moscou e o outro na Alemanha (...) aí disfarçamos e dizemos de boca mole: futebol tem dessas coisas."

"Eu me lembro dos jogadores de vinte anos atrás; cadeiras duras, sem malícia, matando a bola, quando matavam, debaixo da planta dos pés, fortes e resistentes, mas bobocas. Os húngaros e os italianos eram um pouquinho melhores, os outros eram todos pernas-de-pau. Hoje, quando assisto a um jogo de time estrangeiro, reconheço que eles aprenderam tudo o que sabíamos e criaram melhorias que ainda não ousamos sonhar possuir: um perfeito esquema de cobertura, por exemplo."

"Teria o jogador europeu se desencantado, aprendendo futebol da noite para o dia? Não, o jogador europeu aprendeu a jogar futebol devagar, olhou, comparou, supriu suas próprias deficiências com o aprimoramento de suas qualidades naturais".

(...) "Enquanto os nossos zagueiros, postados em dura fileira como um pelotão prussiano, ficam no ’salve-se quem puder’, os zagueiros deles caem no espaço abandonado pelo companheiro num ritmo de Bolshói. Enquanto a nossa linha média troca tímidos totós no meio do campo, o apoiador e o volante deles esticam a bola para a frente. (...) Os avantes deles vão repetindo sempre as únicas jogadas das quais pode surgir um gol lógico".

(...) Enfim, enquanto eles acreditam na tecnologia, nós acreditamos até o fim do mundo no futebol-arte, na improvisação, no talento, conceitos de grande força enquanto não entram em campo".

São fragmentos do artigo "Futebol e Tecnologia", do grande escritor mineiro Paulo Mendes Campos, publicado na revista Diners há 23 anos. Um texto mais do que atual, e que fazia parte da vasta biblioteca de outro escritor mineiro de muito talento, Danilo Gomes, que nos envia de Brasília esta raridade criada por Campos. Como se vê, o futebol brasileiro segue exatamente como há duas décadas, sofrendo a cada competição internacional as conseqüências da má organização. Se o nosso futebol ainda é bom nas quatro linhas, o mesmo não se pode dizer do gramado para fora.

Daniel Gomes, na coluna "O Esporte como ele é", O Estado de Minas, 8 de março de 1992.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.