Gênero e Sexualidade na Formação em Educação Física: Uma Análise dos Cursos de Licenciatura das Instituições de Ensino Superior Públicas do Rio de Janeiro

Por: Ana Beatriz Carvalho de Araujo e .

Arquivos em Movimento - v.15 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi analisar como as temáticas do “gênero” e da “sexualidade” têm sido abordada nos cursos de Licenciatura em Educação Física das Instituições de Ensino Superior públicas do Rio de Janeiro. O estudo foi desenvolvido através da análise documental dos ementários de quatro instituições: UFRJ, UFRRJ, UFF e UERJ. A Análise do Conteúdo foi utilizada para interpretação dos dados. Os resultados indicam que após análise das 467 ementas, identificaram-se apenas quatro disciplinas (0,85%) que abordam as temáticas do “gênero” e/ou da “sexualidade” nos currículos de três das Instituições pesquisadas: “Gênero e Sexualidade na Escola” e “Estudos de Gênero na Educação Física Brasileira”, na UFF; “Núcleo de Ensino e Pesquisa I: corpo, cultura e sociedade”, na UFRRJ; e “Gênero e sexualidade na Educação Física e no Esporte”, na UFRJ. Concluímos que as referidas temáticas estão marginalizadas na formação superior em Educação Física, colaborando para o despreparo da abordagem das relações de gênero pelos docentes em sua futura intervenção pedagógica, dificultando o combate aos estereótipos, preconceitos e práticas de exclusão por gênero e sexualidade na Educação Física escolar.

Referências

ALTMANN, H. Exclusão nos esportes sob o enfoque de gênero. Motus Coporis, Rio de Janeiro, v.9, n.1, p.9-20, 2002.

ALTMANN, H. Diversidade sexual e educação: desafios para a formação docente. Sexualidad, salud y sociedad – Revista latino-americana. Rio de Janeiro, n. 3, p. 69-82, 2013.

ALTMANN, H. Educação Física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 2, de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização. Brasileira, 2003.

CORREIA, M. M.; DEVIDE, F. P.; MURAD, M. Discurso da licenciatura em educação física sobre as questões de gênero na formação profissional em Educação Física. In.: DEVIDE, F. P. (Org.). Estudos de gênero na educação física e no esporte. Curitiba: Appris, 2017. p. 17-48.

COSTA, M. R. F.; SILVA, R. G. A educação física e a co-educação: igualdade ou diferença? RBCE, Campinas, v. 23, n. 2, p. 43-54, 2002.

DEVIDE, F. P. et al. Estudos de gênero na educação física brasileira. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 1, p. 93-103, 2011.

DINIS, N. F. 2011. Homofobia e educação: quando a omissão também é signo de violência. Educar em Revista, Curitiba, n. 39, p. 39-50, 2011.

DORNELES, P. G. WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. V. (Orgs). Educação física e gênero: desafios educacionais. Ijuí: Unijuí, 2013.

DORNELES, P. G. WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. V. (Orgs). Educação física e sexualidade: desafios educacionais 1. Ijuí: Unijuí, 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOELLNER, S. V. Gênero. In.: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 207-209.

GOELLNER, S. V. A contribuição dos Estudos de Gênero e Feministas para o campo acadêmico-profissional da Educação Física. In.: DORNELLES, P. G.; WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. V. (Orgs.). Educação Física e Gênero: desafios educacionais. Ijuí: Unijuí, 2013. p. 23-43.

GOMES, P. B., SILVA, P; QUEIRÓS, P. Para uma estrutura pedagógica renovada, promotora da co-educação no desporto. In.: SIMÕES. A.C.; KNIJNIK, J. D (Orgs.). O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho. São Paulo: Aleph, 2004. p. 173-189.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1999.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LOUZADA DE JESUS, M.; DEVIDE, F. Educação física escolar, co-educação e gênero:

mapeando representações de discentes. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 3, p. 123-140, 2006.

LUZ JÚNIOR, A. Educação Física e Gênero: olhares em cena. São Luís: UFMA/CORSUP, 2003.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças – Cadernos de Diversidade, Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

OLIVEIRA, F. F.; VOTRE, S. Bullying nas aulas de educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 173-197, 2006.

PEÇANHA, M.; DEVIDE F. O discurso dos docentes do primeiro segmento do ensino fundamental sobre o bullying homofóbico a educação física escolar. In.: Fazendo gênero 9 - Diásporas, diversidades e deslocamentos, Florianópolis, 2010. Anais... Florianópolis: UFSC, 2010. p. 1-12.

POCAHY, F. Interseccionalidade: uma prática-teorização feminista possível na “era pós-gênero”? In.: DORNELLES, P. G.; WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. V. (Orgs.). Educação Física e Gênero: desafios educacionais. Ijuí: Unijuí, 2013. p. 69-87.

SARAIVA, M. do C. Co-educação física e esportes: quando a diferença é mito. Ijuí: Unijuí, 2005.

SEFFNER, F. Educação Física e questões de sexualidade: ousada conexão. In.: DORNELLES, P. G.; WENETZ, I.; SWENGBER, M. S. V. Educação Física e Sexualidade: desafios educacionais 1. Ijuí: Unijuí, 2017. p. 9-15.

SILVA et al. O ensino das lutas na Educação Física escolar: uma reflexão crítica. In.: CARVALHO JÚNIOR, A. F. P. de; OSBORNE, R. (Orgs.). Educação Física escolar e questões curriculares. Curitiba: Appris, 2017. p. 161-185.

SOUZA, E. G. R. da S. et al. Capoeira: um conteúdo nas aulas de Educação Física escolar. In.: OSBORNE, R.; FIGUEIREDO, C. A.; SANTOS, R. F. dos. (Orgs.). Complexidade da Educação Física escolar. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013. p. 88-106.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/21840

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.