Georges Hébert e a Imprensa Brasileira: Notas Acerca da Legitimação do Esporte (1920-1930)

Por: Carolina Nascimento Jubé.

VI Congresso Sudeste de Ciências do Esporte

Send to Kindle


Resumo

As primeiras décadas do século XX constituem, no Brasil, um período marcado por um ímpeto de urbanização e modernização. Neste contexto, o esporte começou a despontar como uma prática com grande potencial higiênico, educativo e de sociabilidade, tornando-se símbolo de modernidade entre as elites e os intelectuais brasileiros. Estes grupos frequentemente publicavam artigos em defesa do esporte em distintos periódicos, utilizando diferentes autores para legitimar estas práticas, entre eles Georges Hébert, conhecido atualmente por sua crítica à prática esportiva como um fim em si mesmo e como espetáculo. O objetivo deste artigo é compreender a recepção da obra de Hébert e seus usos na discussão sobre o esporte em periódicos de grande circulação publicados no Brasil entre 1920 e 1930. Para a realização desta pesquisa utilizou-se os jornais: O Imparcial (1923), Correio da Manhã (1925), Jornal do Brasil (1927) e Jornal dos Sports (1931), Athletica (1933), encontrados na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Dada a amplitude desse acervo, os estudos de Martins (2001) e Pereira (2000) ofereceram-nos suporte ao tema do periodismo. A delimitação temporal aqui utilizada é decorrente das próprias fontes analisadas, nas quais a maioria das inserções que vinculavam o nome de Hébert às práticas esportivas se concentrou entre as décadas de 1920 e 1930. Observa-se nestes periódicos certo entusiasmo com a obra e as proposições hebertistas, mas, principalmente, usos e abusos do nome de Hébert como argumento de força para legitimar a prática esportiva. O autor apareceu associado a importantes nomes da ginástica no cenário europeu, aos Clubs brasileiros, e ainda ofereceu força à legitimação da prática da natação. Entretanto, Hébert acreditava que o esporte deveria ser orientado pela beneficência, pela moral e pelo altruísmo, pois esses princípios preservariam o que realmente importa, isto é, o próprio exercício, e não o espetáculo que se constituiria a partir dele. Contudo, os jornais frequentemente o vinculavam à ideias que ele não defendia e a outros autores e métodos ginásticos com os quais não possuía qualquer proximidade, ao contrário. Nesse sentido, Hébert fora trazido como reconhecida referência a respeito dos exercícios físicos, se tornou um argumento de força na legitimação dos esportes no país.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.