Georges Hébert e a Legitimação do Esporte no Brasil: Notas a Partir da Imprensa (1920-1930)

Por: Carolina Nascimento Jubé e Evelise Amgarten Quitzau.

Motrivivência - v.31 - n.57 - 2019

Send to Kindle


Resumo

As primeiras décadas do século XX constituem, no Brasil, um período marcado por um ímpeto de industrialização, urbanização e modernização. Neste contexto, o esporte começou a despontar como uma prática com grande potencial higiênico, educativo e de sociabilidade, tornando-se símbolo de modernidade entre as elites e os intelectuais brasileiros. Estes grupos frequentemente publicavam artigos em defesa do esporte em distintos periódicos, utilizando distintos autores para legitimar estas práticas, entre eles Georges Hébert, conhecido atualmente por sua crítica à prática esportiva como um fim em si mesmo e como espetáculo. O objetivo deste artigo é compreender a recepção da obra de Hébert e seus usos na discussão sobre o esporte em periódicos de grande circulação publicados no Brasil entre 1920 e 1930. Observa-se nestes periódicos certo entusiasmo com a obra e as proposições hebertistas, mas, principalmente, usos e abusos de seu nome como argumento de força para legitimar a prática esportiva.

Referências

AZEVEDO, F. Antinoüs: Estudo da cultura athletica. São Paulo: Weiszflog Irmãos, 1920.

HÉBERT, Georges. (1909) Guide pratique d’éducation physique. 2.ed. Paris: Vuibert et Nony, 1916.

HÉBERT, Georges. (1911) Le code de la force. Paris: Vuibert, 1914.

HÉBERT, Georges. (1913) La culture virile et les devoirs physique de l’officier combattant. Paris: Vuibert, [1918?].

HÉBERT, Georges. (1936) L’éducation physique, virile et morale par la Méthode Naturelle. Paris: Vuibert, 1941.

HÉBERT, Georges. (1925) Le sport contre l’éducation physique. 4.ed. Paris: Vuibert, 1946.

CRUZ, H. F. São Paulo em papel e tinta: periodismo e vida urbana 1890-1915. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2013.

DE LUCA, T. R. de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla B. (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2008. p.111-153.

DELAPLACE, J-M. George Hébert: Sculpteur du corps. Paris: Vuibert, 2005.

ELIAS, N. A gênese do desporto moderno. In. ELIAS, N.; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

FRANZINI, F. A futura paixão nacional: chegada do futebol. In: DEL PRIORE, M.; MELO, V. A. (orgs.). História do esporte no Brasil. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. p.107-131.

GÓIS JUNIOR, E. O esporte e a modernidade em São Paulo: práticas corporais no fim do século XIX e início do XX. Movimento. v. 19, n. 04, p. 95-117, out/dez de 2013. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/37530/27446. Acesso em 06 nov. 2017.

GÓIS JUNIOR, E.; MELO, V. A.; SOARES, A. J. Para a construção da nação: debates brasileiros sobre educação do corpo na década de 1930. Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 131, 2015, p.343-360.

GLEYSE, J, SOARES, C; DALBEN, A. L’œuvre de Georges Hébert au Brésil et en France dans les écrits sur l’Education physique. Deux facettes de la nature (1909–1957)? Sport History Review. Champaign, USA, v.45, n.2, p.171-199, nov. 2014.

GUTTMANN, A. From ritual to record. New York: Columbia University Press, 2004.

JUBÉ. C. N. Educação, Educação Física e Natureza na obra de Georges Hébert e sua recepção no Brasil (1915-1945). 2017. 284f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2017.

LINHALES, M. A. A escola, o esporte e a "energização do caráter": projetos culturais em circulação na Associação Brasileira de Educação (1925-1935). 2006. 266f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2006.

LINHALES, M. A. A escola e o esporte: uma história de práticas culturais. São Paulo: Editora Cortez, 2009a.

LINHALES, M. A. Militares e educadores na Associação Brasileira de Educação: circulação de interesses em torno de um projeto para a educação física nacional (1933-1935). Educar, Curitiba, n. 33, 2009b. p. 75-91.

LUCENA, R. F. O esporte na cidade: aspectos do esforço civilizador brasileiro. Campinas: Autores Associados, 2001.

MARTINS, A. L. Revistas em revista: imprensa e práticas culturais em tempos de república, São Paulo (1890-1920). São Paulo: Edusp, 2001.

MARTINS, A. L. Da fantasia à História: folheando páginas revisteiras. História. 2003, vol.22, n.1, pp. 59-79.

MELO, V. A. et al. Pesquisa histórica e história do esporte. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

MELO, V. A. Esporte, cidade e modernidade: Rio de Janeiro. In: MELO, Victor A. (Org.). Os sports e as cidades brasileiras: transição dos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.

MELO, V. A. Cidade sportiva: primórdios do esporte no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ, 2001.

MORAES E SILVA, M. Novos modos de olhar outras maneiras de se comportar: a emergência do dispositivo esportivo da cidade de Curitiba (1899-1918) [tese]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2011.

MORENO, A. Corpo e ginastica num Rio de Janeiro: mosaico de imagens e textos. 2001. 246f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2001.

MORENO, A. O Rio de Janeiro e o corpo do homem fluminense: o ‘não lugar’ da ginástica sueca. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Autores Associados, v. 25, n.01, p. 55-68, 2003.

MORENO, A. A propósito de Ling, da Ginástica Sueca e da Circulação de Impressos em Língua Portuguesa. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 37, n.2, 2015, p. 128-35.

PEREIRA, Leonardo A. M. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro (1902- 1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PHILIPPE-MEDEN, Pierre. Du sport à la scène: Le naturisme de Georges Hébert (1875-1957). Bourdeaux: Press Universitaires de Bourdeaux, 2017.

QUITZAU, E. A. Associativismo ginástico e imigração alemã no Sul e Sudeste do Brasil (1858- 1938). 2016. 242 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2016.

SEVCENKO, N. A capital irradiante: técnica, ritmos, e ritos do Rio. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil: da belle époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p.513-519.

SOARES, C. L. (1994) duca o sica: ra es européias e rasil. 5. ed. revista. Campinas: Autores Associados, 2012.

SOARES, C. L. Georges Hébert e o Método Natural: Nova sensibilidade, nova Educação do corpo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v.25, n.1, p.21-39, set. 2003.

SOARES, C. L. Da arte e da ciência de movimentar-se: os primeiros momentos da ginástica no Brasil. In: DEL PRIORE, M.; MELO, V. A. (Orgs.). História do esporte no Brasil. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. p.133-178.

VIGARELLO, G. Passion Sport. Histoire d’une culture. Paris: Textuel, 2000.

VIGARELLO, G. Du jeu ancien au show sportif: la naissance d'une mythe. Paris: Editions du Seuil, 2002.

VIGARELLO, G. A invenção da ginástica no século XIX: Movimentos novos, corpos novos. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v.25, n.1, p.9-20, set. 2003.

VIGARELLO, G. História da beleza. O corpo e a arte de se embelezar do Renascimento aos dias de hoje. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

VIGARELLO, G. Estádios  o espetáculo esportivo das arquibancadas às telas. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Orgs.). História do Corpo: As mutações do olhar. O século XX. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2011a, p. 445-480.

VIGARELLO, G. Treinar. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Orgs.). História do Corpo: As mutações do olhar. O século XX. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2011b, p.197-250.

VIGARELLO, G. Higiene do corpo e trabalho das aparências. In: CORBIN, Alain; COURTINE, JeanJacques; VIGARELLO, Georges (Orgs.). História do Corpo: da Revolução à Grande Guerra. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2011c, p. 375-392.

ZICMAN, R.B. História através da imprensa — algumas considerações metodológicas. Projeto História, v.4, p.89-102, 1985.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2019e54291

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.