Ginástica Rítmica e Pedagogia do Esporte: Relato de Experiência

Por: Kizzy Fernandes Antualpa.

III Congresso de Ciência do Desporto

Send to Kindle


Introdução: A Ginástica Rítmica (GR) é um esporte sistematizado pela Federação Internacional de Ginástica (FIG), considerado estritamente feminino, embora haja alguns praticantes da versão masculina. A GR abrange alguns movimentos corporais obrigatórios e tem como aparelhos específicos o arco, a bola, a corda, as maças e a fita, e é executada individualmente ou em conjunto (5 ginastas). Como esporte, é conceituada como a busca pelo belo, cujo objetivo é alcançar a perfeição técnica através de horas de treinamento, sendo este planejado em seus mais profundos detalhes para o alcance de uma ótima execução. No entanto, o desempenho neste esporte está vinculado à capacidade da ginasta de absorver o treinamento, além de depender também de fatores genéticos. Em Jundiaí a GR teve seu inicio em 2006, sendo mais profundamente  desenvolvida a partir de 2007 com a entrada de profissionais especialistas no desporto, sendo este o ano da criação da equipe de competição e a primeira apresentação da quipe jundiaiense em Jogos Regionais e Abertos, e tendo alcançado em 2009 seu melhor desempenho. O treinamento passou por mudanças em sua organização ao longo desses 3 anos. No primeiro ano as ginastas treinavam em média 5 horas por semana, e  atualmente a equipe treina entre 16 e 20 horas semanais, sendo que em regra treina em 4 sessões durante a semana, acrescentando-se eventuais treinos extras aos sábados.

 Objetivo: O trabalho busca demonstrar o processo de desenvolvimento da modalidade no município, relacionando o número de atletas e o desempenho em competições estaduais. 

Metodologia: A amostra foi constituída por 18 atletas do gênero feminino, da equipe de ginástica rítmica de Jundiaí, com idade entre 06 e 17 anos, de diferentes categorias, com em média 2 anos de treinamento. As sessões de treino foram planejadas e avaliadas ao início e ao final de cada ano, para que houvesse reajustes na carga de treinamento.

 Resultados: Tabela 1: Número da equipe 2007 2008 2009 Quantidade de atletas do município 10 20 18 Participação da equipe em competições 2 4 6 Número de atletas do município participantes em Jogos Regionais e Abertos 1 2 6 Presença da equipe em pódios 2 1 4

Conclusão. A partir do momento em que a equipe passou a treinar durante um maior período de tempo, houve um conseqüente aumento da carga de treinamento e, assim, uma maior especialização na modalidade, como se pode observar na tabela acima. Vêse, portanto, que a mudança na estrutura do treinamento provocou uma evolução do município no âmbito estadual, trazendo com isso melhores colocações e destaque no nos campeonatos e outros eventos do ambiente gímnico.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.