Hipotensão Pós-exercício de Força em Indivíduos com Doença Arterial Periférica: Análise dos Mecanismos Hemodinâmicos, Autonômicos

Por: Marilia de Almeida Correia.

2014 14/10/2014

Send to Kindle


Resumo

Uma sessão de exercício de força promove hipotensão pós-exercício em indivíduos com a doença arterial periférica (DAP). Todavia, os mecanismos envolvidos nessa resposta ainda não foram estudados. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar os mecanismos hemodinâmicos, autonômicos e vasculares envolvidos na hipotensão pós-exercício de força em indivíduos com DAP. Dezessete pacientes foram submetidos a duas sessões experimentais, realizadas em ordem aleatória: sessão força (SF três séries de 10 repetições em oito exercícios alternados por segmento) e sessão controle (SC permanecer em repouso nas máquinas dos exercícios por 50 minutos). Antes e após cada sessão experimental, foram medidas a pressão arterial e as variáveis hemodinâmicas, autonômicas e vasculares. Comparações entre os momentos pré e pós intervenção foram analisadas pela ANOVA de dois fatores para medidas repetidas. Foi aceito como valor significante P<0,05. Após ambas as sessões experimentais, foram observados aumentos das pressões arteriais sistólica, diastólica e média tanto na braquial como na aórtica (P<0,05), entretanto o maior aumento foi observado após a SC (P<0,01). Houve redução da frequência cardíaca na SC (P<0,05), ao passo que não foi observada nenhuma alteração na SF. Os indicadores de onda refletida aumentaram somente após a SC (P<0.05), enquanto a velocidade de onda de pulso aumentou similarmente após ambas as sessões experimentais (P=0.66). Não houve alteração significante nos valores médios do volume sistólico, do débito cardíaco, da resistência vascular periférica, da modulação autonômica cardíaca, no fluxo sanguíneo e na resposta à hiperemia reativa após ambas as sessões (P>0,05). As análises individuais indicaram grande variabilidade entre os pacientes nas respostas do débito cardíaco, resistência vascular periférica, fluxo sanguíneo e resposta à hiperemia reativa após as sessões experimentais. Como conclusão, uma sessão de exercício de força reduz a pressão arterial aórtica e braquial, bem como os indicadores de onda refletida em pacientes com DAP. Nos demais fatores, existe grande variabilidade da resposta, não sendo possível identificar mecanismos coincidentes para a redução da pressão arterial nestes pacientes. 

Endereço: http://w2.portais.atrio.scire.net.br/upe-papgef/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.