História e Historiografia: a Produção da Educação Física Brasileira na Década de 80

Por: Verter Paes Cavalcanti.

V Encontro de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

Até meados da década de 80, a produção historiográfica da educação física brasileira identificava-se pela visão de história tradicional, baseada na concepção positivista. O momento político que se desenvolveu entre 1964 (período do implantação da ditadura militar) e o final dos anos 80 (fase da reabertura política) marcou a produção acadêmica, de um modo geral, assim como revelou uma inquietação no seio da sociedade face à supressão dos direitos de cidadania. Tal fato despertou anseio de mobilização e luta por uma maior participação política. No bojo desse contexto que envolveu a reorganização da sociedade civil, as discussões acadêmicas iriam proporcionar reflexões na área da educação física c a sua incorporação a idéias e teorias que circulavam em outras áreas. Com isso, a educação física brasileira pôde vivenciar um momento de questionamento face ao paradigma científico que vinha norteando os discursos produzidos nessa área - dentre esses o historiográfico. Nesse contexto é que se materializa o discurso do historiador da educação física brasileira na década de 80, revelando a incorporação de visões de mundo que se destacaram pela crítica à ideologia política numa tentativa de ruptura com o modelo historiográfico produzido até aquele momento. Mesmo revelando um certo avanço no distanciamento da visão tradicional de história, deficiências teóricas e metodológicas contidas na produção do conhecimento da educação física impediram um desenvolvimento de caráter epistemológico, não experimentando, portanto, a construção de uma história própria

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.