Histórias de Um Aprendizado os Signos de Deleuze nos Relatos de Vida de Músicos Cegos

Por: Flávio Couto e Silva Oliveira.

186 páginas. 1995

Send to Kindle


Resumo

Este trabalho pretendeu mostrar de que maneira a memória pode ajudar a construir a história de um aprendizado. Foram estudadas as memórias de quatro músicos cegos que tiveram o início de sua formação no Instituto São Rafael, o qual foi a segunda experiência brasileira - e a primeira durante a República - de uma escola especializada na educação da pessoa cega. A pesquisa teve como eixo teórico o livro Proust e Os Signos, de Gilles Deleuze sobre a obra de Marcel Proust. A contribuição que o pensamento de Deleuze deu ao presente trabalho afirma-se sobretudo na utilização feita dos quatro tipos de signos através dos quais o autor estuda Em Busca do Tempo Perdido: signos mundanos, amorosos, sensíveis e artísticos. Foram realizadas com esses músicos longas entrevistas de história de vida nas quais eles relataram suas relações sociais (signos mundanos), afetivas (signos amorosos), com o mundo das qualidades sensíveis (signos sensíveis) e com a arte, especificamente a música (signos da arte). Esses depoimentos abarcaram em seu todo, o período que vai desde antes da fundação do Instituto São Rafael (1926) até a década de 1970. Este trabalho foi dividido de acordo com os seguintes temas principais: as questões relativas ao olhar e à filosofia da percepção em Diderot; a narração e a memória como fundamentais à constituição e afirmação do sujeito narrador para o testemunho histórico e a análise dos depoimentos de vida colhidos.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=595&listaDetalhes%5B%5D=595&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.