Idosos e Exercícios Físicos Motivações e Contribuições Para Saúde e o Lazer

Por: Andreia Mendes dos Santos, Camila Oliveira de M. Cabral, Fábio Soares da Costa e Janete de Páscoa Rodrigues.

Licere - v.20 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O estudo objetiva analisar fatores motivacionais para a participação de idosos em programa de atividades físicas do Centro de Convivência da Terceira Idade, em Teresina/PI. A pesquisa, qualitativa e descritiva, considerou as narrativas de 30 idosos, de 60 e 87 anos, entre novembro e dezembro de 2015, que apontaram como aspectos motivacionais para participar de programas de exercícios físicos: a prevenção de doenças, a reabilitação e manutenção da saúde e o lazer, sendo a iniciação nas atividades motivada pela família, iniciativa própria e indicação médica. A melhoria da saúde, a diminuição de dores, o aumento da força, da resistência, da flexibilidade, a perda de peso corporal e a ampliação do círculo de amizades foram as principais repercussões dessa participação. Assim, a manutenção de um estilo de vida ativo durante o envelhecimento potencializa fatores psicossociais e melhora a qualidade da vida dos idosos.

Downloads

Referências

AGREE, J. C. Light resistance and stretching exercise in elderly women: Effect upon strength. Archives of Physical Medicine Rehabilitation, v. 69, n. 4, 1988, p. 273-276.

ANDREWS, M. The seductiveness of agelessness. Ageing and Society, v. 19, n. 3, p. 301-318, 1999.

AZEVEDO, Maria Lucia G.; BRÊTAS, Angela. Projeto “Animar sem quedas”: reflexões sobre lazer e saúde. Licere, Belo Horizonte, v.20, n.2, p.166-198, jun., 2017.

BERGER, K. S. The developing person through the life span. New York: Worth Publishers, 1994.

BIRREN, J.; CUNNINGHAM, W. Research on the psychology of aging: principles, concepts and theory. Van Nostrand Reinhold Company, N. Y., v. 3, n. 34, 1985.

BRASIL. Organização Pan-Americana da Saúde. Envel ativo: uma política de saúde. Brasília-DF, 2005. Disponível em: https://gerontounivali.wordpress.com/conceito-deidoso/ Acesso em: 04 fev. 2016.

BROWN, A.B. Positive adaptations to weight-lifting training in the elderly. Journal of Applied Physiology, v.69, n. 5, p. 1733, 1990.

CORTELLETTI, I. A. Idoso asilado: um estudo gerontológico. Caxias do Sul: EDUCS/Edi PUCRS, 2002, p. 70.

CUNHA, J. X. da. Autonomia do idoso e suas implicações éticas na assistência de enfermagem. Saúde Debate, v. 36, n. 95, p. 657-664, dez, 2012.

DESLAURIERS, J. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPART, Jean. et al.. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991, p 58. Disponível em: http://labomidia.ufsc.br/Santin/Saude/9_Envelhecimento_humano.pdf Acesso em: 11 nov. 2015.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FEIJÓ, O. G. Corpo e movimento: uma psicologia para o esporte. Rio de Janeiro: Shape, 1992.

FIATARONE, M. A.; EVANS, W. J. The etiology and reversibility of muscle disfunction in the aged. The Journal of Gerontology, v. 48, 1993, p. 77-83.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, C. L. (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

______.; PINHEIRO, M.; LACERDA, L. Lazer, turismo e inclusão social: intervenção com idosos. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

HU, M. H.; WOOLLACOTT, M. Multisensory training of standing balance in older adults. Kinetic and eletromyographic postural responses. Journal of Gerontology, v. 49, n. 2, 1994, p. 62-71.

KAMEL, D.; KAMEL, J. G. N. Nutrição e atividade física. 2. ed., Rio de Janeiro: Sprint, 1998.

KIMIECIK, J. C. A practitioner’s guide to exercise motivation. Journal of Physical Education, Recreation and Dance, v. 62, n.7, 1991.

KOLOWSKY, M. Influências da atividade física no aumento da qualidade de vida. EFDeportes, v. 10, n. 69, 2004.

LINS, R. G.; CORBUCCI, P. R. A importância da motivação na prática de atividade física para idosos. Estação Científica Online, Juiz de Fora, n. 04, abril/maio. 2007.

LIRA, L. C. Um estudo sobre causas da evasão em programas de atividades físicas da Unati/UERJ. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE, Rio de Janeiro. Anais... Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2000, p. 33.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e educação. Campinas: Papirus, 1987.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MATSUDO, S. M., MATSUDO, V. K. R. Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. v.5, n.2, p.60-76, 2000.

______.; ______. Prescrição e benefícios da atividade física na terceira idade. Revista Brasileira Ciência Movimento. v. 6, n. 4, p. 221-228, 1992.

MAZO, G. Z. Universidade e terceira idade: percorrendo novos caminhos. Santa Maria: Gráfica Nova Prata, 1998.

MAZZEO, R. S. et al. Exercise and physical activity for older adults. American College of Sports and Medicine Position Stand. Medicine & Science in Sports 7 Exercise, v.30, n.6, p. 992-1008, 1998.

MEDEIROS, G. A. Por uma ética na saúde: algumas reflexões. Psicol. Cienc. Prof., v. 22, n. 1, p. 30-37, 2002.

MESSY, J. A pessoa idosa não existe. São Paulo: Aleph, 1999.

MIRANDA, M. L. J. Música, atividade física e bem-estar psicológico em idosos. Revista Brasileira Ciência e Movimento, v. 4, n. 11, p. 87-94, 2003.

NAHAS, M. V. O pentáculo do bem-estar: base conceitual para avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Revista Atividade Física e Saúde. v. 5, n. 2, 2000.

NELSON, J. K; THOMAS, J. R. Métodos de pesquisa em atividade física. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NUNES, A. T. G. L.; PEIXOTO, C. Perfil dos alunos da Universidade Aberta da Terceira Idade. Relatório de Pesquisa. Rio de Janeiro: Faculdade de Serviço Social/UERJ, 1994.

OLIVEIRA, Flávio A. et al. Benefícios da prática de atividade física sistematizada no lazer de idosos: algumas considerações. Licere, Belo Horizonte, v.18, n.2, p.262-304, jun., 2015.

PESCATELO, L. S. Exercise and hypertension. American College of Sports Medicine Position Stand. Medicine Science Sports Exercices, v. 3, n. 36, 2004.

PONT GEIS, P. Atividade física na terceira idade: teoria e prática. 5. ed. Porto Alegre: ArTmed, 2003.

RAHAL, Miguel Antônio et al. Atividade física para o idoso e objetivos. In: PAPALÉO NETTO, Matheus; Tratado de Gerontologia. 2. ed. Rev. e ampl. São Paulo: Atheneu, 2007. P. 86-87.

RIKLI, R.; BUSCH, S. Motor performance of women as a function of age and physical activity level. Journal of Gerontology, v. 41, n. 5, p. 645-649, 1986.

RODRIGUES, Juliana Pedreschi; FERNANDES, Charles Augusto M. Lazer e sociabilidade: sobre as memórias e motivações de idosos participantes de uma experiência de educação não formal na zona leste da cidade de São Paulo. Licere, Belo Horizonte, v.19, n.4, p.201-225, dez, 2016.

SANTOS, F. H. do; ANDRADE, V. M.; BUENO, O. F. A. Envelhecimento um processo multifatorial. Psicol. Estud., Maringá, v. 14, n. 1, jan/mar, 2009.

SANTOS, P. M.; MARINHO, A. Conteúdos culturais do lazer e participação masculina em grupos de convivência para idosos de Florianópolis (SC). Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 4, p. 281-321, dez, 2015.

SHEPHARD, R. J. Envelhecimento, atividade física e saúde. São Paulo: Phorte, 2003.

SILVA, A. H.; MAZO, G. Z. Dança para idosos: alternativa para o exercício físico. Cinergis, v. 8, n. 1, p. 25-32, jan.-jun, 2007.

SILVA, M. C. da. O processo de envelhecimento no Brasil: desafios e perspectivas. In: Textos sobre Envelhecimento, Rio de Janeiro, v.8, n.1, 2005, p. 02. Disponível em: <http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/24933> Acesso em: 05 fev. 2016.

TEIXEIRA, M. Empoderamento de idosos em grupos direcionados à promoção da saúde. Rio de Janeiro, 2002.

VERAS, C. C. P. Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da terceira idade. Ciência Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 423-432, 2004.

VIEIRA, R. A. et al. Prevalência de fragilidade e fatores associados em idosos comunitários de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: dados do Estudo FIBRA. Cad Saude Pública, v. 29, n. 8, p.1631-1643, 2013.

VOORRIPS, L. E. et al. The physical condition of elderly women differing in habitual physical activity. Medicine and Science in Sports an Exercise, v. 25, n. 10, 1993, p. 1152-1157.

WAGORN, Y. Manual de ginástica e bem-estar para a terceira idade. São Paulo: Marco Zero, 2002.

WOOLLACOTT, M. H.; SHUMWAY-COOK, A. Concepts and methods for assessing postural instability. Journal Aging and Physical Activity, v. 4, n. 3, 1996, p. 214-233.

WOOLLEY, S. M.; CZAJA, S. J.; DRURY, C. G. An assessment of falls in elderly men and women. Journal of Gerontology: Medical Sciences, v. 52A, n. 2, 1997.

PDF

Publicado
2017-12-18
Como Citar
Costa, F. S. da, Cabral, C. O. de M., Rodrigues, J. de P., & Santos, A. M. dos. (2017). Idosos e Exercícios Físicos. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 20(4), 212-237. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2017.1732
Edição
v. 20 n. 4 (2017): dezembro
 

Endereço: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/1732

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.