Imagem Corporal e Aspectos Emocionais de Adolescentes Portadores de Escoliose Idiopática Que Utilizam o Colete de Milwaukee: Possíveis Aproximações nas Relações de Gênero.

Por: Eliane Maria de Oliveira Monteiro.

123 páginas. 2004

Send to Kindle


Resumo

As transformações ocorridas na puberdade induzem mudanças no corpo do adolescente, que geram dificuldades de relacionamento social e psicológico. Esse adolescente, na construção do seu Eu, de acordo com a sua cultura, vivencia um processo genereficado, no qual ser menino ou menina implica em ser e estar no mundo de modo diferente. O adolescente como Ser do homem em si, a partir de si, encontra-se dotado de uma orientação e de uma capacidade de trocas com o mundo, e toda sua motricidade é uma procura intencional do mundo que o rodeia para realizar-se suprindo carências. As mudanças de dimensão, formato no corpo e no seu interior, são consideradas mudanças de origem fisiológica assim como a percepção corpórea. A partir destas considerações, o presente estudo foi elaborado -com o objetivo maior de investigar as percepções na imagem corporal dos adolescentes portadores de escoliose que utilizam o colete de Milwaukee, procurando algumas aproximações com as relações de gênero. Os objetivos específicos são: 1) Verificar a percepção da imagem corporal, através de desenhos, procurando algumas aproximações nas• relações de gênero; 2) identificar as carências psicológicas e emocionais dos adolescentes durante o período de utilização do colete; 3) investigar se o grupo familiar exerce alguma influência referente à órtese, interferindo na imagem corporal dos adolescentes. A metodologia ancorou-se no paradigma fenomenológico com contornos etnográficos, ao se preocupar com o processo, analisando o homem como ser existencial na sua história na dimensão interpretativa sobre o fenômeno estudado. Participaram da investigação 12 adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 13 aos 18 anos, portadores de escoliose, que utilizam o colete de Milwaukee, e que freqüentam o ambulatório do Hospital Central do Exército. Como instrumentos foram empregados: a) desenho individual realizado em dois momentos com uma diferença de sessenta dias; b) observação; c) entrevista estruturada. Os resultados apontaram que houve diferenças na percepção corporal dos adolescentes de acordo com os desenhos produzidos, revelando também que a auto representação fornece indícios do processo de generificação. Foram identificadas carências psicológicas e emocionais durante o período de uso da órtese, e esta serviu de estímulo a uma nova atitude postura. Houve influência pelo grupo familiar no controle do uso da órtese, interferindo nas prescrições médicas e fisioterapêuticas, refletindo no comportamento bem como na imagem corporal. Conclui-se que o uso do desenho é interessante ferramenta para estudo da imagem corporal e que também propicia um olhar nas relações de gênero.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=2282&listaDetalhes%5B%5D=2282&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.