Impacto das Atitudes dos Residentes na Aceitação do Turismo de Praia, Turismo Esportivo, Turismo de Natureza e Turismo Cultural

Por: José Ramón Cardona e Maria Dolores Sánchez Fernández.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.5 - n.2 - 2016

Send to Kindle


Resumo


O estudo das atitudes dos residentes é importante para a gestão dos destinos turísticos. Os residentes formam sua atitude em relação ao turismo por meio de uma análise de custo-benefício baseada em sua percepção dos impactos do turismo. Moradores têm diferentes níveis de aceitação de diferentes tipos de turismo e o objetivo deste trabalho é testar se existe uma relação entre a atitude para o turismo e o grau de aceitação da praia de turismo, turismo desportivo, turismo de natureza e turismo cultural. A análise dos dados foi realizada por meio de mínimos quadrados parciais em uma amostra de 418 residentes de Ibiza, achando que: não existe uma relação causal entre a atitude dos moradores e o grau de aceitação do turismo cultural; as relações causais mais fortes são entre a atitude geral dos residentes e o turismo de praia e entre a atitude geral e o turismo esportivo; A percepção de ser economicamente dependente do turismo tem um efeito significativo no turismo de praia e turismo esportivo. Parece que o grau de aceitação do turismo esportivo é baseado na análise crítica dos moradores, e não em outras ofertas, e seu desenvolvimento seria acompanhado por uma melhoria em seu grau de aceitação.

Referências

Agência de Turismo das Ilhas Baleares (2015). Turismo nas Ilhas Baleares: Anual de 2014. Palma de Maiorca: Agência de Turismo das Ilhas Baleares.

Akis, S., Peristianis, N., & Warner, J. (1996). Atitudes dos moradores em relação ao desenvolvimento do turismo: o caso de Chipre. Tourism Management, 17 (7), 481-494.

Allen, LR, Hafer, HR, Long, PT, & Perdue, RR (1993). Atitudes dos moradores rurais em relação à recreação e ao desenvolvimento do turismo. Journal of Travel Research, 32 (4), 27-33.

Almeida, F., Balbuena, A., & Cortés, R. (2015). Atitudes dos residentes em relação aos impactos do turismo. Tourism Management Perspectives, 13, 33-40.

Andereck, KL, Valentine, KM, Knoff, RC e Vogt, CA (2005). Percepções dos moradores sobre impactos no turismo comunitário. Annals of Tourism Research, 32 (4), 1056-1076.

Anderson, JC & Gerbing, DW (1988). Modelagem de equações estruturais na prática: Uma revisão e uma abordagem de duas etapas recomendadas. Boletim Psicológico, 103, 411-423.

Ap, J. (1992). Percepções dos moradores sobre os impactos do turismo. Annals of Tourism Research, 19 (4), 665-690.

Ap, J. e Crompton, JL (1998). Desenvolver e testar uma escala de impacto do turismo. Journal of Travel Research, 37 (2), 120-130.

Ayres, R. (2000). Turismo como passaporte para o desenvolvimento em pequenos estados: reflexões sobre Chipre. International Journal of Social Economics, 27 (2), 114-133.

Bagozzi, RP, & Yi, Y. (1988). Na avaliação de modelos de equações estruturais. Jornal da Academia de Marketing Science, 16 (2), 74-94.

Besculides, A., Lee, M., & McCormick, P. (2002). Percepção do residente sobre os benefícios culturais do turismo. Annals of Tourism Research, 29 (2), 303-319.

Bigné, JE, Font, X. e Andreu, L. (2000). Marketing de destinos turísticos. Análise e desenvolvimento de estratégias. Madri: Editorial ESIC.

Bramwell, B. (2003). Respostas maltesas ao turismo. Anais de Pesquisa em Turismo, 30 (3), 581-605.

Brayley, R., Var, T., & Sheldon, P. (1990). Influência percebida do turismo nas questões sociais. Annals of Tourism Research, 17 (2), 285-289.

Bruckner, P. & Finkielkraut, A. (1979). Na esquina da rua. A aventura. Paris: Edições do Limiar.

Bruner, E. (1996). Turismo em Gana: a representação da escravidão e o retorno da diáspora negra. American Anthropologist, 98 (2), 290-304.

Bujosa, A. e Rosselló, J. (2007). Modelando atitudes ambientais em relação ao turismo. Tourism Management, 28 (3), 688-695.

Carmines, E., & Zeller, R. (1979). Confiabilidade e avaliação de validade, N. 07-017. Sage University Paper Series sobre Aplicações Quantitativas nas Ciências Sociais. Beverly Hills, CA: Sábio.

Cater, EA (1987). Turismo nos países menos desenvolvidos. Anais de Pesquisa de Turismo 14 (2), 202-226.

Chin, WW (1998). Edições e opiniões sobre modelagem de equações estruturais. MIS Quarterly, 22 (1), 7-16.

Cronbach, LJ (1970). Essenciais do Teste Psicológico. 3 ed. Nova Iorque, NY: Harper & Row.

Davison, A., & Hinkley, D. (1997). Métodos de bootstrap e sua aplicação. Cambridge: Cambridge University Press.

Doran, R., Larsen, S. e Wolff, K. (2015). Diferente, mas semelhante: comparação social de motivos de viagem entre os turistas. International Journal of Tourism Research, 17 (6), 555-563.

Faulkner, B., & Tideswell, CA (1997). Estrutura para monitorar os impactos do turismo na comunidade. Jornal de Turismo Sustentável, 5 (1), 3-28.

Garau, J. B. (2002). Agroturismo y turismo rural en Balears. Palma de Mallorca: Edicions CAEB.

Garau, JB, Serra, A., e Tur, V. (1997). Turismo de golfe nas Baleares. Palma de Maiorca: Edições CAEB.

Garau, J. B., Serra, A., & Tur, V. (1999a). El cicloturismo en Baleares. Palma de Mallorca: Edicions CAEB.

Garau, J. B., Serra, A., & Tur, V. (1999b). El turismo activo en Baleares. Palma de Mallorca: Edicions CAEB.

Gee, CY, Mackens, JC e Choy, DJ (1989). O setor de viagens. Nova Iorque, NY: Van Nostrand Reinhold.

Gómez, L., San Martín, J. e Bertiche, C. (1999). Um modelo de experiência turística e mudança de atitude. Annals of Tourism Research, 26 (4), 1024-1027.

Gration, D., Raciti, M., & Arcodia, C. (2011). O papel do autoconceito do consumidor nos festivais de marketing. Jornal de Viagens e Marketing de Turismo, 28 (6), 644-655.

Gursoy, D., & Kendall, KW (2006). Hospedando megaeventos: modelando o suporte dos locais. Annals of Tourism Research, 33 (3), 603-623.

Gursoy, D., & Rutherford, D. (2004). Atitudes do anfitrião em relação ao turismo: um modelo estrutural melhorado. Annals of Tourism Research, 31 (3), 495-516.

Gursoy, D., Jurowski, C. e Uysal, M. (2002). Atitudes de residente: uma abordagem de modelagem estrutural. Anais de Pesquisa em Turismo, 29 (1), 79-105.

Gustafson, P. (2002). Turismo e migração sazonal de aposentadoria. Annals of Tourism Research, 29 (4), 899-918.

Hair, J., Hult, G., Ringle, C. e Sarstedt, M. (2014). Um Primer sobre Modelagem de Equações Estruturais de Mínimos Quadrados Parciais (PLS-SEM). Thousand Oaks, CA: Sábio.

Haralambopoulos, N., & Pizam, A. (1996). Impactos percebidos do turismo: o caso de Samos. Anais de Pesquisa de Turismo, 23 (3), 503-526.

Hennig, C. (1997). Turistas abusar. A história do anti-turismo. Journal of Folklore, 93 (1), 31.41.

Henseler, J., Ringle, CM e Sinkovics, RR (2009). O uso da Modelagem Parcial de Mínimos Quadrados em marketing internacional. En Sinkovics, RR e Ghauri, PN (Ed.), Advances in International Marketing, Esmeralda, Bingley, WA, pp. 277-320.

Instituto de Estatística das Ilhas Baleares (Ibestat). Postado em 15 de março de 2015 http://ibestat.caib.es/

Jacobsen, JKS (2000). Atitudes anti-turísticas: turismo charter mediterrâneo. Anais de Pesquisa de Turismo, 27 (2), 284-300.

Johnson, JD, Snepenger, DJ, & Akis, S. (1994). Percepções dos moradores sobre o desenvolvimento do turismo. Annals of Tourism Research, 21 (3), 629-642.

Jurowski, C., Uysal, M. e Williams, RD (1997). Uma análise teórica das reações residentes da comunidade anfitriã ao turismo. Journal of Travel Research, 36 (2), 3-11.

Keogh, B. (1990). Percepções e atitudes de residentes e recreacionistas em relação ao desenvolvimento do turismo. Journal of Applied Recreation Research, 15 (2), 71-83.

Kim, SS e Petrick, JF (2005). Percepções dos moradores sobre os impactos da Copa do Mundo FIFA 2002: o caso de Seul como cidade-sede. Tourism Management, 26 (1), 25-38.

King, B., Pizam, A., & Milman, A. (1993). Impactos sociais do turismo: percepções do hospedeiro. Annals of Tourism Research, 20 (4), 650-665.

Ko, DW, & Stewart, WP (2002). Um modelo de equação estrutural das atitudes dos moradores para o desenvolvimento do turismo. Tourism Management, 23 (5), 521-530.

Lankford, SV, & Howard, DR (1994). Desenvolver uma escala de atitude de impactos no turismo. Anais de Pesquisa em Turismo, 21 (1), 121-139.

Lanquar, R. (2001). Marketing turístico: de lo global a lo local. Barcelona: Editorial Ariel.

Lawson, RW, Williams, J., Young, T. e Cossens, J. (1998). Uma comparação das atitudes dos residentes em relação ao turismo em 10 destinos da Nova Zelândia. Tourism Management, 19 (3), 247-256.

Lee, CK, & Back, KJ (2006). Examinando as relações estruturais entre impacto, benefício e apoio percebidos para o desenvolvimento de cassinos com base em dados longitudinais de 4 anos. Tourism Management, 27 (3), 466-480.

Lee, CK, Kim, SS e Kang, S. (2003). Percepções de impactos no cassino: um estudo longitudinal coreano. Gestão de Turismo, 24 (1), 45-55.

Lepp, A. (2007). Atitudes dos moradores em relação ao turismo na vila de Bigodi, Uganda. Tourism Management, 28 (3), 876-885.

Lindberg, K., & Johnson, RL (1997). Modelando as atitudes dos residentes em relação ao turismo. Anais de Pesquisa de Turismo, 24 (2), 402-424.

Lindberg, K., Dellaert, BGC & Rassing, CR (1999). Trocas residente. Uma abordagem de modelagem de escolha. Annals of Tourism Research, 26 (3), 554-569.

Liu, JC, & Var, T. (1986). Atitudes dos residentes em relação aos impactos do turismo no Havaí. Annals of Tourism Research, 13 (2), 193-214.

Liu, JC, Sheldon, PJ, & Var, T. (1987). Percepções dos residentes sobre os impactos ambientais do turismo. Anais de Pesquisa em Turismo, 14 (1), 17-37.

Long, PT, Perdue, RR e Allen, L. (1990). Percepções e atitudes do turismo rural residente por nível comunitário de turismo. Journal of Travel Research, 28 (3), 3-9.

Mackay, KJ, & Campbell, JM (2004). Um exame do apoio dos moradores à caça como produto turístico. Tourism Management, 25 (4), 443-452.

Madrigal, R. (1993). Um conto de turismo em duas cidades. Annals of Tourism Research, 20 (2), 336-353.

Mason, P. & Cheyne, J. (2000). Atitudes dos residentes em relação ao desenvolvimento do turismo proposto. Anais de Pesquisa de Turismo, 27 (2), 391-411.

McIntosh, RW, & Goeldner, CR (1990). Princípios do Turismo, Práticas, Filosofias. Nova Iorque, NY: Wiley.

Milman, A. e Pizam, A. (1988). Impacto social do turismo na Flórida Central. Anais de Pesquisa em Turismo, 15 (2), 191-204.

Murphy, PE (1985). Turismo: uma abordagem comunitária. Nova York, NY: Routledge.

Nyaupane, GP, Teye, V. e Paris, C. (2008). Inocentes no exterior. mudança de atitude em relação aos anfitriões. Annals of Tourism Research, 35 (3), 650-667.

Pearce, DG (1996). Organizações de turismo na Suécia. Tourism Management, 17 (6), 413-424.

Perdue, RR, Long, PT e Allen, L. (1987). Percepções e atitudes do turismo residente rural. Annals of Tourism Research, 14 (3), 420-429.

Perdue, RR, Long, PT e Kang, YS (1995). Apoio residente para jogos de azar como estratégia de desenvolvimento do turismo. Journal of Travel Research, 34 (2), 3-11.

Plog, SC (1974). Por que as áreas de destino sobem e descem em popularidade. Cornell Hotel and Restaurant Administração Trimestral, 14 (4), 55-58.

Plog, SC (2002). O poder da psicografia e o conceito de aventura. Journal of Travel Research, 40 (3), 244-251.

Prentice, R. (1993). Planejamento turístico orientado para a comunidade e preferências dos moradores. Tourism Management, 14 (3), 218-227.

Ramón, J. (2015). Efeito da economia e do meio ambiente sobre os moradores. PASSOS: Revista de Turismo e Patrimônio Cultural, 13 (6), 1371-1386.

Ramón, J., Azpelicueta, MC, e Serra, A. (2015). 'Ibiza, Biodiversidade e Cultura': Evolução e potencial turístico de um património mundial. Revista Internacional de Gestão Científica e Turismo, 1 (1), 109-133.

Ringle, CM, Wende, S., e Will, S. (2005). SmartPLS 2.0 (Beta). Hamburgo: SmartPLS.

Santesmases, M. (2009). DYANE Versão 4: Desenho e análise de pesquisas em pesquisa social e de mercado. Madri: Edições Pirâmide.

Serra, A., Ramón, J., & Estades, R. (2015). Características e peculiaridades do turismo rural nas Ilhas Baleares. Planejamento e Desenvolvimento de Turismo, 12 (2), 125-144.

Sharpley, R. (2014). Percepções do hospedeiro do turismo: uma revisão da pesquisa. Gestão de Turismo, 42, 37-49.

Teye, V., & Sirakaya, E., & Sönmez, SF (2002). Atitudes dos residentes em relação ao desenvolvimento do turismo. Annals of Tourism Research, 29 (3), 668-688.

Hum, S. & Crompton, JL (1987). Medindo os níveis de anexos do residente em uma comunidade de host. Journal of Travel Research, 26 (1), 27-29.

Var, T., Kendall, KW, & Tarakcoglu, E. (1985). Atitudes dos moradores em relação aos turistas em uma cidade turística turca. Annals of Tourism Research, 12 (4), 652-658.

Vong, F. (2009). Mudanças nas atitudes de jogo dos residentes e impactos percebidos no quinto aniversário da desregulamentação dos jogos de Macau. Journal of Travel Research, 47 (3), 388-397.

Vong, F. e McCartney, G. (2005). Mapeamento das percepções residentes do impacto nos jogos. Journal of Travel Research, 44 (2), 177-187.

Weaver, DB, & Lawton, LJ (2001). Percepção de residente no meio urbano-rural. Anais de Pesquisa de Turismo, 28 (2), 439-458.

Werts, CE, Linn, RL e Jöreskog, KG (1974). Estimativas de confiabilidade interclasse: testando suposições estruturais. Medição Educacional e Psicológica, 34, 25-33.

Williams, J., & Lawson, R. (2001). Questões comunitárias e opiniões residentes do turismo. Annals of Tourism Research, 28 (2), 269-290.

Yu, J. e Lee, TJ (2014). Impacto das interações interculturais dos turistas. Journal of Travel Research, 53 (2), 225-238.

Yu, X., Kim, N., Chen, C. e Schwartz, Z. (2012). Você é turista? definição de turismo do ponto de vista turístico. Tourism Analysis, 17 (4), 445-457.

 

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/162

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.