Impacto dos Pontos de Corte no Comportamento Sedentário do Adolescente Medido Pelo Acelerômetro

Por: Alcides Prazeres Filho, Arthur Oliveira Barbosa, Ially Rayssa Dias Moura, e Marcelo Romanzini.

Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde - v.24 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar o impacto dos pontos de corte para definir comportamento sedentário (CS) no tempo e prevalência desse comportamento, mensurado por acelerômetros, em adolescentes no Nordeste do Brasil. Estudo transversal, com adolescentes de 10 a 14 anos de idade de escolas públicas de João Pessoa, Paraíba, em 2014. O CS foi mensurado por acelerômetro (ActiGraph GT3X+) e foram aplicados os seguintes pontos de corte: Evenson (≤ 25 counts/15seg), Puyau (< 800 counts/60seg), Vanhelst (≤ 400 counts/60seg), Hänggi (< 3 counts/1seg) e Romanzini (≤ 180 counts/15seg), combinados às definições de 20 e 60 minutos de não uso do acelerômetro. Para comparar o tempo médio e a prevalência de tempo excessivo de CS (≥ 8 horas/dia), entre os pontos de corte, utilizou-se a ANOVA ONE-WAY para medidas repetidas (post hoc de Bonferroni) e o teste de Cochran, respectivamente. Houve diferenças significativas na média de CS entre todos os pontos de corte analisados (p < 0,05), variando de 37,44 min/dia (Romanzini: 547,37 min/dia vs. Vanhelst: 584,81 min/dia) a 370,44 min/dia (Hänggi: 310,51 min/dia vs. Puyau: 680,95 min/dia) para o critério de 20 minutos de não uso; e de 81,52 min/dia (Evenson: 502,41 min/dia vs. Romanzini: 583,93 min/dia) a 361,94 min/dia (Hänggi: 354,58 min/dia vs. Puyau: 716,52 min/dia) para o de 60 minutos. A prevalência de exposição excessiva de CS variou de 3,3% (Hänggi) a 99,3% (Puyau). O tempo médio diário e a prevalência de exposição excessiva de CS de adolescentes apresentaram diferenças acentuadas entre os pontos de corte analisados.

Referências

Carson V, Hunter S, Kuzik N, Gray CE, Poitras VJ, Chaput JP, et al. Revisão sistemática do comportamento sedentário e indicadores de saúde em crianças e jovens em idade escolar: uma atualização. Appl Physiol Nutr Metab. 2016; 41 (6): S240-S65.

TS de Olds, Maher CA, Ridley K, DM de Kittel. Epidemiologia descritiva do tempo de sedentarismo com e sem rastreamento em adolescentes: um estudo transversal. Int J Behav Nutr Phys Act. 2010; 7 (1): 92.

Bauman AE, Petersen CB, Blond K, Rangul V, Hardy LL. A Epidemiologia Descritiva do Comportamento Sedentário. In: Epidemiology SB, editor: Springer International Publishing AG; 2018. p.73-106

Lubans DR, Hesketh K, Cliff D, Barnett L, Salmon J, Dollman J, et al. Uma revisão sistemática da validade e confiabilidade das medidas de comportamento sedentário usadas em crianças e adolescentes. Obes Rev. 2011; 12 (10): 781-99.

Verloigne M, Lippevelde WV, Maes L, Yıldırım M, Chinapaw M, Manios Y, et al. O tempo auto-relatado de TV e computador não representa o tempo total sedentário derivado do acelerômetro em crianças de 10 a 12 anos. Eur J Saúde Pública. 2012; 23 (1): 30-2.

Troiano RP, McClain JJ, Brychta RJ, Chen KY. Evolução dos métodos acelerômetros para pesquisa de atividade física. Br J Sports Med. 2014; 0: 1-5.

Welk G, Morrow J, Sain-Maurice P. Guia do Usuário do Registro de Medidas: Atividade Física Individual. In: National Collaborative on Childhood Obesity Research (NCCOR). 2017: 1-72.

Reilly JJ, Penpraze V, Hislop J, Davies G, Grant S, Paton JY. Medida objetiva da atividade física e do comportamento sedentário: revisão com novos dados. Arch Dis Criança. 2008; 93: 614-9.

Sasaki J, Coutinho A, Santos C, Bertuol C, Minatto G, Berria J, et al. Orientações para utilização de acelerômetros no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(2):110-26.

Migueles JH, Cadenas-Sanchez C, Ekelund U, Nyström CD, Mora-Gonzalez J, Löf M, et al. Coleta de dados do acelerômetro e critérios de processamento para avaliar a atividade física e outros resultados: uma revisão sistemática e considerações práticas. Sports Med. 2017; 47 (9): 1821-45.

Chau JY, Grunseit AC, Chey T, Stamatakis E, Brown WJ, Matthews CE, et al. Tempo diário sentado e mortalidade por todas as causas: uma meta-análise. PLoS One. 2013; 8 (11): e80000.

Ojiambo R, Cuthill R, Budd H, Konstabel K, Casajús JA, González-Agüero A, et al. Impacto das decisões metodológicas nas variáveis ​​de resultado do acelerômetro em crianças pequenas. Int J Obes. 2011; 35: S98-S103.

Banda JA, Haydel KF, Davila T, Desai M, Bryson S, Haskell WL, et al. Efeitos de diferentes comprimentos de época, algoritmos de tempo de desgaste e pontos de corte de atividade em estimativas de comportamento sedentário infantil e atividade física a partir de dados do acelerômetro. PLoS One. 2016; 11 (3): e0150534.

Janssen X, Mann KD, Basterfield L, Parkinson KN, Pearce MS, Reilly JK, et al. Desenvolvimento de comportamento sedentário na infância e adolescência: análise longitudinal do estudo Gateshead Millennium. Int J Behav Nutr Phys Act. 2016; 13 (1): 88.

Kim Y, Lee JM, Peters BP, Gaesser GA, Welk GJ. Exame de diferentes pontos de corte do acelerômetro para avaliar comportamentos sedentários em crianças. PLoS One. 2014; 9 (4): e90630.

ABEP - Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil - [database on the Internet] 2014 [cited 2018 out 05]. Available from: http://www.abep.org

Organização Mundial da Saúde. Grupo de Estudo de Referência sobre Crescimento Multicêntrico. Padrões de crescimento infantil da OMS: Comprimento / altura / idade, peso / idade, peso / comprimento, peso / altura e índice de massa corporal / idade: Métodos e desenvolvimento. Genebra:. Organização Mundial da Saúde; 2006.

Evenson KR, Catellier DJ, Gill K, Ondrak KS, McMurray RG. Calibração de duas medidas objetivas de atividade física para crianças. J Sports Sci. 2008; 26 (14): 1557-65.

Puyau MR, Adolph AL, Vohra FA, Butte NF. Validação e calibração de monitores de atividade física em crianças. Obes Res. 2002; 10 (3): 150-7.

Vanhelst J, Béghin L, Turck D, Gottrand F. Novos limiares validados para várias intensidades de atividade física em adolescentes usando o acelerômetro Actigraph. Int J Rehabil Res. 2011; 34 (2): 175-7.

Hänggi JM, Phillips LR, Rowlands AV. Validação do GT3X ActiGraph em crianças e comparação com o GT1M ActiGraph. J Sci Med Sport. 2013; 16 (1): 40-4.

Romanzini M, Petroski EL, Ohara D, Dourado AC, Reichert FF. Calibração dos acelerômetros ActiGraph GT3X, Actical e RT3 em adolescentes. Revista européia de ciência do esporte. 2014; 14 (1): 91-9.

Harrell JS, McMurray RG, CD Baggett, Pennell ML, Pearce PF, Bangdiwala SI. Custos energéticos das atividades físicas em crianças e adolescentes. Med Sci Sports Exerc. 2005; 37 (2): 329-36.

Cain KL, Bonilla E, Conway TL, Schipperijn J, Geremia CM, Mignano A, et al. Definição do tempo de não uso do acelerômetro para maximizar a detecção do tempo sedentário na juventude. Pediatr Exerc Sci. 2018; 30 (2): 288-95.

Endereço: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/13999

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.