Inatividade Física no Lazer e Associações com Indicadores de Risco Para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Adultos de Florianópolis

Por: Taís Gaudencio Martins.

2008 07/05/2008

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a associação da inatividade física no lazer (IFL) com fatores sóciodemográficos e indicadores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em adultos residentes em domicílios com linha telefônica fixa, no município de Florianópolis. Os dados primários foram coletados no ano de 2005, integrando o projeto #SIMTEL-CINCO CIDADES: implantação, avaliação e resultados de um sistema municipal de monitoramento de fatores de risco nutricionais para doenças crônicas não transmissíveis a partir de entrevistas telefônicas em cinco municípios brasileiros#. O estudo caracteriza-se por ser observacional, transversal, com base populacional, realizado por meio de inquérito epidemiológico. A amostra foi constituída por 1.858 indivíduos com idade entre 18 e 65 anos (47,4% homens). As etapas da análise incluíram descrição da amostra, análises de associação bruta e ajustada das características sóciodemográficas e dos indicadores de risco para DCNT com inatividade física no lazer (IFL). A análise de associação, realizada através de regressão de Poisson, foi baseada no modelo hierárquico, tendo como variável dependente a IFL. As variáveis independentes foram agrupadas em duas categorias hierárquicas, o nível distal abrangendo as características sóciodemográficas e o nível proximal incluindo os indicadores de risco para DCNT. A prevalência de IFL foi de 53,8% (46,9% para os homens e 60,5% para as mulheres). A prevalência de fatores de risco para DCNT foi diferente entre os sexos, com os homens apresentando maior exposição aos indicadores de risco para DCNT, com exceção da IFL. O modelo final de análise mostrou, para os homens, que a IFL foi positivamente associada com a idade e anos de estudo; e negativamente associada com o trabalho. Nas análises multivariadas ajustadas pelas variáveis sóciodemográficas mostrou, para os homens, que a IFL foi negativamente associada com o consumo abusivo de álcool e positivamente associada com o tabagismo e ao não consumo de leite. Para as mulheres, as análises multivariadas, para as variáveis sóciodemográficas, mostraram que a IFL foi positivamente associada com os anos de estudo e negativamente associada com o trabalho. Após a análise multivariada ajustada pelas variáveis sóciodemográficas, para as mulheres, a prevalência de IFL foi positivamente associada com a freqüência diária de consumo de FVL e ao consumo de leite com baixo teor de gordura. Os achados mostram uma alta prevalência de IFL (53,8%) quando comparada a outros estudos conduzidos no Brasil. Em conclusão, a prática regular de exercícios parece estar integrada num estilo de vida saudável com os aspectos dietéticos, especialmente para as mulheres. A preocupação com a saúde parece ter especial importância na determinação das relações de atividades físicas e escolhas alimentares na vida dos indivíduos.

Endereço: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92083

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.