Incidência de Pés Cavo e Suas Implicações na Biomecânica da Marcha de Praticantes de Caminhada

Por: Marcos Rogério Giusti e Sebastião Iberes Lopes Melo.

VII Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Atualmente, significativo número de pessoas praticam caminhada, buscando benefícios diversos. Considerando que o pé desempenha papel importante na locomoção, com este estudo objetivou-se avaliar a incidência de pés cavo e suas implicações na biomecânica da marcha. Participaram 110 indivíduos, de ambos os sexos, com idade entre 18 e 70 anos. Destes, 32 (com pés cavo) participaram da análise cinética. Utilizou-se: (a) podoscópio; (b) esteira ergométrica Kistler-Gaitway, com duas plataformas de força piezoelétricas, KISTLER 981OSI, acopladas a sua base. Na coleta de dados utilizou-se a amostragem de 10 segundos e freqüência de 600 Hz, nas velocidades 4,5 e 6 km/h, seguidos de 5 minutos de adaptação ao equipamento, e 2 minutos de caminhada em cada estágio. Tratou-se os dados com a estatística descritiva e a estatística inferencial (teste T de Studente ANOVA One-Wafl, a p < 0,05. Os resultados evidenciaram que: (1)29,09% possuem pé cavo, e destes 53, 13% apresentaram grau leve e 34,37% grau moderado de cavismo; (2) há diferença significativaentre o 19 e o 2- pico de força de reação do solo em 5 e 6 Km/h, (3) houve simetria na taxa de aceitação do peso entre os lados do corpo; (5)com o incremento da velocidade, o 22pico de força não aumentou na mesma proporção que o 1Q. Conclui-se que: a) há um número significativo de praticantes com pés cavo; b)os sujeitos apresentaram simetria na utilização dos lados do corpo e demonstraram prevalência da utilização do calcanhar durante a caminhada.

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.