Incidência de Sobrepeso e Obesidade em Alunos da Rede Pública e Privada da Cidade de Anápolis-go

Por: Cristina Gomes de Oliveira Teixeira, , , Lourenzo Brito, Ludgero Carolino Galli Vieira, Lydiane Ludomira da Silva e Patrícia Espíndola Mota Venâncio.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Introdução: A obesidade não é um fenômeno recente, no entanto, sua prevalência
nunca havia atingido proporções epidêmicas como atualmente se registra,
constituindo-se num dos principais problemas de saúde pública.A obesidade ocorre
geralmente na infância e a chance dessa criança se tornar um adulto obeso é maior
que uma criança não obesa Nesse sentido, este estudo objetivou analisar a prevalência
de sobrepeso e obesidade em crianças de ambos os sexos de duas escolas da cidade
de Anápolis. Material e Métodos: Esta pesquisa caracteriza-se como um estudo de
natureza transversal, envolvendo 165 alunos de 7 a 9 anos (94 meninas e 71 meninos),
sendo 105 alunos da escola municipal e 60 da escola privada. Os dados necessários
ao estudo foram coletados através de dois procedimentos: inicialmente foi aplicado
um questionário para identificar o nível de atividade física e os hábitos alimentares
das crianças, em seguida foram realizadas medidas de dobras cutâneas, estatura e
pesagem para classificá-las em relação ao IMC (índice de massa corporal) e percentual
de gordura. Para análise estatística foram utilizados a estatística descritiva e o teste t
para amostras independentes. Resultados: Os alunos apresentaram IMC médio de
16,79 e 17,50, respectivamente, para as escolas pública e privadas, os quais não se
revelaram estatisticamente significativos (F:2,25 e p 0,135). Já os resultados médios
relativos ao percentual de gordura correspondentes a 22,20 para a escola pública e
22,79 para a escola particular, também, não se revelaram significativos (F:0,426 e p
0,515). Comparando os resultados por sexos, verificou-se que o IMC e o percentual
de gordura dos meninos, respectivamente de 17,29 e 22,35 comparativamente aos
resultados das meninas: 16,87 e 22,75, revelaram-se estatisticamente significativos
com p = 0,041 e p = 0,0005. Conclusão: Pelos resultados apresentados pode-se
concluir que, na população estudada, não foi encontrado indicações de sobrepeso e
obesidade, no entanto foram encontradas diferenças significativas entre meninos e
meninas no que concerne ao IMC e percentual de gordura.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/63_Anais_p263.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.