Influência do Exercício Físico Agudo no Comportamento Cognitivo e Motor em Modelo Experimental de Alzheimer

Por: Andressa Panegalli Hosni, Aristides M. Macha, Denise Barth Rebesco, Ivo Ilvan Kerppers, Leandro Smouter e Meiriélly Furmann.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.25 - n.2 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Introdução:O envelhecimento causa alterações de diversas funções executivas e cognitivas, principalmente relacionadas à incidência de demências, em especial, a doença Alzheimer (DA). Diversos estudos mencionam o exercício físico como um recurso preventivo de sintomas de depressão.Objetivo:Investigar as alterações cognitivas e comportamentais relacionadas à DA capazes de retardar a progressão da doença e suas complicações.Métodos:A amostra foi composta por 10 ratos Wistar machos divididos em 2 grupos (n = 5), Natação e Alzheimer+Natação, com protocolo de 6 dias de intervenção. Foram realizadas avaliações da ansiedade pelo teste de labirinto elevado em cruz, memória espacial pelo labirinto aquático de Morris, memória aversiva pelo teste de aversão em caixa de isolamento e comportamento motor por meio do teste Open Field.Resultados:No grupo Natação houve melhora na memória espacial (169 ± 142,9 x 24,2 ± 31,3), porém verificou-se comportamento motor pior depois do exercício. Igualmente, observou-se aumento do comportamento de ansiedade (8 ± 13,03 x 67,8 ± 48,1) nos animais com DA, característica relevante da doença, que não apresentou melhora após o exercício agudo. Através da análise do Size effect foi possível observar que houve diferença no grupo Alzheimer+Natação na diminuição da ansiedade e melhora do comportamento motor após o exercício. Apesar dos benefícios do exercício físico para os sintomas da DA, ainda não existe um consenso sobre o tipo de exercício e o tempo de intervenção necessários para que se tenha uma resposta positiva como método de tratamento, uma vez que ainda não existem estudos que comprovem esse fato de maneira aguda ou crônica.Conclusão:O exercício físico de forma aguda não se mostrou totalmente eficaz como tratamento das alterações comportamentais com relação à DA, porém obteve um efeito médio na análise pelo Size effect sobre o comportamento motor e a ansiedade, especificamente. Nível de evidência IV; Investigação dos resultados do tratamento.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-86922019000200152&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.