Influência do Perfil Sociodemográfico e Frequência de Treino na Capacidade Funcional e Qualidade Vida de Idosos Participantes em Programas Públicos de Exercícios Físicos

Por: Ismael Franco de Souza.

103 páginas. 2018 06/03/2018

Send to Kindle


Resumo

O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial. Esse crescimento demográfico precisa ser acompanhado de uma melhor qualidade de vida (QV) e capacidade funcional. Neste contexto, a prática de atividade física tem sido incentivada, principalmente as realizadas em grupos. Entretanto, diversos fatores podem influenciar a capacidade funcional e a QV dos idosos O objetivo foi analisar a influência do perfil sociodemográfico e da frequência de treino na capacidade funcional e QV de idosos participantes de programas públicos de exercícios físicos. Trata-se de um estudo transversal e analítico, com uma abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 108 idosos participantes de programas públicos de exercícios físicos no município de Goiânia, GO, Brasil. Foram utilizados como instrumentos uma Ficha de avaliação inicial, o Mini Exame de Estado Mental, a versão curta do International Physical Activity Questionnaire (IPAQ), World Health Organization Quality of Life – Bref (WHOQOL-BREF), World Health Organization Quality of Life - Old (WHOQOL-OLD), Índice de Barthel (IB), Índice de Lawton (IL), força de preensão manual (FPM), teste de alcance funcional (TAF), Timed Up and Go (TUG) e o teste de levantar e sentar (TLS). Os resultados mostraram que houve pior percepção da QV nos idosos com menor renda e escolaridade, que vivem sem companheiro e idade mais avançada. O sexo masculino apresentou melhor escore no domínio psicológico (p = 0,01), enquanto as mulheres tiveram melhor escore na faceta funcionamento do sensório (p = 0,02). Em relação a capacidade funcional, os idosos com menor renda e escolaridade, que vivem sem companheiro com idade mais avançada e que participam dos programas públicos de exercícios físicos até 3x por semana apresentaram pior desempenho funcional (p < 0,05). Idosos que participam dos programas em regiões com menor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) apresentaram pior capacidade funcional e QV. Conclui-se que as variáveis sociodemográficas influenciam a QV e a capacidade funcional dos idosos. A frequência de treino apresentou associações apenas com a capacidade funcional. O conhecimento acerca desses fatores pode fornecer subsídios para elaboração de estratégias mais eficientes de intervenção, e que estas sejam planejadas tendo como foco os idosos mais vulneráveis.

Endereço: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_GO_ad591610a4c3e79d2b65e4687c89a69e

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.