Influência do Sobrepeso na Capacidade Funcional de Mulheres Idosas Fisicamente Ativas

Por: Akeline Santos de Almeida, Jamille Mendonça Reinaldo, Maria de Lourdes Feitosa Neta, Patrícia Almeida Fontes, Ricardo Aurélio Carvalho Sampaio, e Rogério Brandão Wichi.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.22 - 2020

Send to Kindle


Resumo

O envelhecimento compreende um processo dinâmico e progressivo. Caracteriza-se por alterações fisiológicas e funcionais, sendo a modificação na composição corporal com o acréscimo de gordura corpórea considerada relevante, podendo ocasionar comprometimento da aptidão física e alterações cardiometabólicas. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência do sobrepeso na capacidade funcional em idosas praticantes de exercício físico. Foi realizada uma pesquisa de campo correlacional com 24 idosas praticantes de exercício físico. Todas as idosas foram submetidas à anamnese, análise antropométrica com avaliação da massa corporal e estatura, capacidade funcional com a bateria de testes de Rikli e Jones (Sênior Fitness test), flexibilidade com o banco de Wells e força de preensão manual com o teste de preensão manual. Utilizou-se o teste de correlação de Pearson e a regressão logística multivariada pelo método Stepwise para verificar a associação entre sobrepeso e capacidade funcional. Observou-se que a flexibilidade de Quadril (R=-0,494, p=0,014) e a flexibilidade dos membros inferiores pelo banco de Wells (R=-0,446, p=0,02) apresentaram forte correlação negativa com o índice de massa corporal (IMC). Após a regressão logística multivariada, percebeu-se uma forte correlação negativa com a flexibilidade do quadril (B=-0,035, p=0,014). Assim, a flexibilidade do quadril entre as idosas ativas com sobrepeso reduziu com o aumento do IMC.

Referências

Duarte VS, Santos ML , Rodrigues KA. Exercise and osteoarthrosis: a systematic review. Revista Fisioter Mov 2013; 26(1):193-202.

Esquenazi D, Silva SB, Guimarães MA. Aspectos fisiopatológicos do envelhecimento humano e quedas em idosos. Revista HUPE 2014; 13(2):11-20.

Campos ACV, Ferreira E, Vargas AMD. Perfil do envelhecimento saudável de idosos brasileiros octogenários. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2016; 24(e): 01-11

Ferreira OGL, Maciel SCl, Costa SMG, Silva AO. Active aging and its relationship to functional independence. Texto Contexto Enferm 2012; 21(3): 513-8.

Souza MS, Raildo SC, Fernandes MH. Population study on the determinants for self-rated health of elderly residents in Community. Revista Cienc enferm 2016, 22(2): 13-26.

Maciel MG. Physical activity and function in elderly. Motriz, 2010; 16(04):1024-1032,

Dos Santos VR, Araujo MYC, Cardoso MR. Association of insufficient physical activity with sarcopenia and sarcopenic obesity in individuals aged 50 years or more. Revista Nutr., Campinas 2017; 30(2):175-184.

Falsarella GR, Gasparotto LPR. Envelhecimento e os fenótipos da Composição Corporal. Revista Kairós Gerontologia 2014; 17(2), pp. 57-77.

Silveira EA, Kac G, Barbosa LS. Prevalência e fatores associados à obesidade em idosos residentes em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: classificação da obesidade segundo dois pontos de corte do índice de massa corporal. Cad. Saúde Pública, 2009, 25(7):1569-1577.

De Souza WC, Mascarenhas LPG. Exercício físico na promoção da saúde na terceira idade. Saúde e meio ambiente: revista interdisciplinar 2015; 4(1): 55-65.

Dos Santos RR. Obesity in the elderly. Rev Med Minas Gerais 2013; 23(1): 62-71.

De CV Freitas, do Socorro ENFS, Moreira KEC, Carneiro SSR. Evaluation of frailty, functional capacity and quality of life of the elderly in geriatric outpatient clinic of a university hospital. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2016; 19(1):119-128.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary care 1994; 21(1): 55-67.

Wells KF, Dillon EK. The sit and reach: a test of back and leg flexibility. Research Quarterly for Exercise and Sport, Washington, 1952, 23:115-118.

Rikli R, Jones C. Development and validation of a functional fitness test for community residing older adults. J Aging Phys Act 1999; 7(2):129–16.

Sallinen J, Stenholm S, Rantanen T, Heliövaara M, Sainio P, Koskinen S. (2010). Hand-Grip Strength Cut-Points to Screen Older Persons at Risk for Mobility Limitation. Journal of the American Geriatrics Society 2010; 58(9): 1721–1726.

Vilaça KHC, Alves NMC, Carneiro JAO, Ferriolli E, Lima NKC, Moriguti JC. Body composition, muscle strength and quality of active elderly women according to the distance covered in the 6-minute walk test Braz J Phys Ther 2013, 17(3):289-296.

Pataky Z, Armand S, Muller-Pinget S, Golay A, Allet L. Effects of Obesity on Functional Capacity. Obesity 2014; 22(1): 56-62

Danielewicz AL, Barbosa AR, Duca GF. Nutritional status, physical performance and functional capacity in an elderly population in southern Brazil. Rev Assoc Med Bras 2014; 60(3):242-248.

Vagetti GC, Oliveira V, Silva MP, Pacífico AB, Costa TRA, Campos W. Association of body mass index with the functional fitness of elderly women attending a physical activity program. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol 2017; 20(2): 216-227.

Sardinha LB, Cyrino ES, dos Santos L, Ekelund U, Santos DA. Fitness but not weight status is associated with projected physical independence in older adults. Age (Dordr) 2016, 38(54): 1-12.

Elias RGM, Gonçalves ECA, de Moraes ACF, Moreira CF, Fernandes CAM. Aptidão física funcional de idosos praticantes de hidroginástica. Rev Bras Geriatr Gerontol 2012, 15(1):79-86.

Giampaoli S, Ferruci L, Cecchi F, Noce CL, Poce A, Dima F, et al. Hand-grip strength predicts incident disability in non-disabled older men. Age Ageing. 1999; 28(3): 283-8.

Ribeiro C, Abad C, Barros, R, Neto T. Nível de flexibilidade obtida pelo teste de sentar e alcançar a partir de estudo na Grande São Paulo. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2010;12(6):415-421.

Almeida APPV, Veras RP, Doimo LP. Avaliação do equilíbrio estático e dinâmico de idosas praticantes de hidroginástica e ginástica. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2010;12(1):55-61.

Song X, Jousilahti P, Stehouwer CDA, Söderberg S, Onat A, Laatikainen T, et al. Cardiovascular and all cause mortality in relation to various anthropometric measures of obesity in Europeans. Nutr Metab Cardiovasc Dis 2015;(25):295-304.

O envelhecimento compreende um processo dinâmico e progressivo. Caracteriza-se por alterações fisiológicas e funcionais, sendo a modificação na composição corporal com o acréscimo de gordura corpórea considerada relevante, podendo ocasionar comprometimento da aptidão física e alterações cardiometabólicas. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência do sobrepeso na capacidade funcional em idosas praticantes de exercício físico. Foi realizada uma pesquisa de campo correlacional com 24 idosas praticantes de exercício físico. Todas as idosas foram submetidas à anamnese, análise antropométrica com avaliação da massa corporal e estatura, capacidade funcional com a bateria de testes de Rikli e Jones (Sênior Fitness test), flexibilidade com o banco de Wells e força de preensão manual com o teste de preensão manual. Utilizou-se o teste de correlação de Pearson e a regressão logística multivariada pelo método Stepwise para verificar a associação entre sobrepeso e capacidade funcional. Observou-se que a flexibilidade de Quadril (R=-0,494, p=0,014) e a flexibilidade dos membros inferiores pelo banco de Wells (R=-0,446, p=0,02) apresentaram forte correlação negativa com o índice de massa corporal (IMC). Após a regressão logística multivariada, percebeu-se uma forte correlação negativa com a flexibilidade do quadril (B=-0,035, p=0,014). Assim, a flexibilidade do quadril entre as idosas ativas com sobrepeso reduziu com o aumento do IMC.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2020v22e67000

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.