Influência dos Pontos de Corte Para Mensurar e Classificar o Nível de Atividade Física em Idosos

Por: Adriano Feretti Borgatto, Fernanda Christina de Souza Guidarini, Pablo Antonio Bertasso Araujo, Samantha Nahas Guimarães e .

Revista da Educação Física - UEM - v.28 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

A atividade física promove benefícios à saúde quando realizada em quantidade adequada. Acelerômetros medem a intensidade de maneira indireta, tornando fundamental a escolha do ponto de corte. O objetivo deste estudo foi comparar a atividade física semanal utilizando diferentes pontos de corte. A amostra foi de 108 idosas que participavam de atividades em centros comunitários de forma regular, sendo 69 do grupo baile e 39 do grupo bingo. As idosas utilizaram acelerômetros durante uma semana, 10h/dia. A prevalência de idosas ativas variou conforme ponto de corte: de 56,9% com Freedson e cols. para 94,5% com Copeland e Esliger no grupo baile; de 35,9% para 74,4% respectivamente no grupo bingo. Diferenças foram encontradas em passos/dia (baile:12.989,6 vs bingo:9.305,4; p=0,05) e de horas de atividades/dia (baile:9,7h vs bingo:7,6h; p=0,005). Padronizar o ponto de corte para uso de pesquisas com idosos torna-se essencial devido às diferenças encontradas neste estudo para um mesmo grupo. 

Palavras-chave


Acelerometria; Atividade Motora; Idoso

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/30970

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.