Influência do Nível Competitivo e da Posição Tática Sobre Parâmetros de Desempenho Aeróbio de Atletas Profissionais de Futebol do Brasil

Por: Bruno Manfredini Baroni, Ernesto Cesar Pinto Leal Junior e Ricardo Bertotti Piccoli.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.27 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Este estudo objetivou verificar a influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros relacionados ao desempenho aeróbio de atletas profissionais de futebol. Foram analisadas 453 avaliações ergoespirométricas de atletas profissionais de futebol (42 goleiros, 92 zagueiros, 61 laterais, 174 meio-campistas e 84 atacantes) que atuavam em quatro níveis competitivos: Campeonato Nacional Série A; Série B; Série C; e Campeonato Estadual. Não foram encontradas diferenças nos valores médios de consumo máximo de oxigênio (VO2max) e segundo limiar ventilatório (LV2) entre os níveis competitivos (p > 0,05). Os goleiros apresentaram VO2max e LV2 (56 e 50 mL/kg/min, respectivamente) significativamente inferiores aos zagueiros (59 e 52 mL/kg.min; p = 0,002 e p = 0,028), laterais (60 e 53 mL/kg.min; p < 0,001 e p = 0,004), meio-campistas (59 e 52 mL/kg.min; p = 0,002 e p = 0,031) e atacantes (59 e 52 mL/kg.min; p = 0,047 e p = 0,036). Portanto, os achados sugerem que: 1) o desempenho aeróbio não difere em função do o nível competitivo; e 2) os goleiros apresentam desempenho aeróbio inferior aos atletas de linha, os quais não apresentam diferenças entre si.

 

Endereço: http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/58560/61581

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.