Influência do Nível Socioeconômico Sobre Comportamentos de Risco Para Transtornos Alimentares em Adolescentes

Por: Cássia Peres Bonar Fernandes, e Karin Louise Lenz Dunker.

Jornal Brasileiro de Psiquiatria - v.58 - n.3 - 2009

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: Investigar comportamentos de risco para transtornos alimentares (TA) em adolescentes de diferentes níveis socioeconômicos

Método: 183 adolescentes do sexo feminino de 15 a 18 anos de duas escolas (pública e particular) foram avaliadas quanto à renda e escolaridade dos pais, estado nutricional, comportamentos de risco para TA (Teste de Atitudes Alimentares – EAT-26), atitudes socioculturais quanto à aparência (Escala das Atitudes Socioculturais Voltadas para Aparência – SATAQ-3), percepção corporal (escala de silhuetas) e uso de dietas. 

Resultados: A média do escore do EAT-26, assim como a porcentagem de adolescentes consideradas de risco foram semelhantes entre as escolas (p>0,05). No escore do SATAQ-3, verificou-se na escola particular um valor maior que da pública (p<0,05). O número de adolescentes que superestimavam o peso foi semelhante nas escolas (p>0,05), e as que apresentaram sobrepeso/obesidade tiveram escores maiores no EAT-26. Metade
das adolescentes das escolas já fez dieta, sendo que a frequência do uso de dietas esteve associada com o maior escore do EAT-26.

Conclusões: Comportamentos de risco foram encontrados em grande parte da população estudada, mas esses não estiveram associados com o nível socioeconômico.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0047-20852009000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.