Influência de Três Diferentes Tempos de Intervalos de Recuperação da Força Muscular no Pico de Torque em Idosos

Por: André Faria Russo.

53 páginas. 2004

Send to Kindle


Resumo

Estudos que utilizam testes musculares isocinéticos geralmente requerem que o indivíduo realize duas a quatro contrações máximas, utilizando três a cinco ,velocidades diferentes. Porém, dados apresentados na literatura demonstram que o intervalo de descanso entre as séries durante a avaliação isocinetica influencia a produção de força da série subsequente. Períodos de intervalo, utilizados na ,literatura, variam entre 30 a 180 s. O objetivo desta investigação foi o de determinar o tempo mínimo de período de recuperação durante um protocolo de teste de força isocinetica em idosos. Para determinar o pico de torque a 60°/s90°/s e 120°/s, vinte homens idosos (66,30 ± 3,92 anos) realizaram individualmente duas séries de extensão isocinetica (Biodex System 3) unilateral ,do joelho. As velocidades de contração e os períodos de intervalo entre as séries (30, 60, e 90 segundos) foram realizados de forma aleatória em três dias distintos com um intervalo mínimo de 48 horas. Para a análise dos dados, foi utilizadacomo tratamento estatístico, a análise de variância one~way (ANOVA) para medidas repetidas. Não foram encontradas diferenças significativas (p > 0,05) na média do pico de torque entre todos os períodos de recuperação (30, 60, e 90 s) ,nas velocidades de 60, 90 e 1207s. Estes dados demonstraram que, durante a aplicação de um protocolo de teste de força isocinética, o tempo de 30 segundos entre séries é suficiente para a recuperação da força muscular em homens idosos.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1053&listaDetalhes%5B%5D=1053&processar=Processar

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.