Influência da Utilização da órtese de Tornozelo Durante Atividades do Voleibol: Avaliação Eletromiográfica

Por: Anália Rosário Lopes, Christiane de Souza Macedo Guerino, Jefferson Rosa Cardoso, Marcelo Bannwart Santos, Marcelo Costa de Paula e Thiago André Del Arco Mustafá.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.11 - n.5 - 2005

Send to Kindle


Resumo

Entorse de tornozelo é a lesão aguda mais freqüentemente encontrada no voleibol. Com o intuito de prevenir a ocorrência de lesões de tornozelos, foram desenvolvidos equipamentos profiláticos, como as órteses. O objetivo deste estudo foi avaliar o desempenho dos músculos do tornozelo (tibial anterior, fibular longo e gastrocnêmio – porção medial e lateral) por meio da medida da atividade elétrica em diferentes atividades esportivas do voleibol (salto vertical e deslocamento lateral) com e sem o uso de órtese de tornozelo. Foram avaliadas nove atletas de voleibol feminino infanto-juvenil, com idade variando entre 14 e 17 anos (: 15,8 ± 1,3), todas sem lesões prévias no membro dominante. Foi coletada a contração isométrica voluntária máxima (CIVM) de cada músculo e, em seguida, a atividade eletromiográfica em diferentes situações com e sem a órtese, em ordem aleatória. A órtese utilizada possuía dois apoios laterais. O sinal eletromiográfico foi quantificado pela raiz quadrada da média (RMS) e normalizado pela CIVM. Realizou-se a análise de variância de medidas repetidas para verificar a diferença da atividade elétrica dos músculos envolvidos em cada atividade, com e sem órtese, com significância estatística de 5% (p < 0,05). Foi identificada uma diferença estatisticamente significante na fase I do salto a favor do tibial anterior (p < 0,001) e na fase II, a favor dos três músculos flexores (p < 0,001; p = 0,01; p = 0,003), em ambas as situações, sem e com o uso da órtese. Quanto à atividade do deslocamento, foi observada diferença com significância estatística na fase da freada a favor do tibial anterior e do gastrocnêmio – porção lateral (p = 0,013), em ambas as situações. Não foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os músculos dos dois grupos. Os resultados sugerem que a utilização da órtese de tornozelo pode não influenciar na atividade elétrica dos músculos estudados durante o salto vertical e o deslocamento lateral.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922005000500006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.